Tecnologia da Informação

Smart City: o que é e como aplicar esse conceito na sua empresa?

Escrito por SONDA

Cada vez mais comum no mundo inteiro, o conceito de Smart City está transformando cidades inteiras ao usar tecnologia e inteligência na gestão pública. Se você está aí se perguntando o que seu trabalho tem a ver com isso, definitivamente precisa acompanhar os próximos tópicos deste post!

Acompanhe para entender melhor esse conceito e ver como é possível aplicá-lo na sua empresa para otimizar processos, economizar recursos e integrar toda a operação em um só sistema!

Afinal de contas, o que é Smart City?

Por mais que esse nome tenha começado a aparecer com mais frequência nos últimos anos, ainda não existe um conceito objetivo sobre o que define uma cidade inteligente. Na verdade, são vários os aspectos relativos ao uso e à administração de uma cidade que podem definir uma Smart City.

A forma mais simples e direta de falar sobre o assunto é considerar que cidades inteligentes são aquelas que usam dispositivos conectados para monitorar e gerenciar as ruas e os espaços públicos. O conceito, porém, vai muito além disso.

Em seu significado mais amplo, Smart Cities são centros urbanos que vêm incorporando tecnologias e soluções de TI para integrar e otimizar as operações municipais, reduzindo custos e melhorando a qualidade de vida de seus habitantes.

Uma cidade que atinge esse patamar, portanto, não é apenas conectada, mas sim uma região viva e sustentável que consegue usar a inteligência a favor da administração e da gestão de recursos, além de garantir mais segurança e praticidade no uso de vias e outros aparatos públicos.

Como está presente nas cidades atualmente?

Seja para a administração pública ou para a aplicação do conceito dentro de empresas, integração é palavra de ordem quando o assunto é Smart City. Para entender melhor, veja como as cidades inteligentes pelo mundo vêm implementando o conceito!

Trânsito

Um dos primeiros aspectos atacados em uma Smart City é também um dos maiores problemas de qualquer grande centro urbano na atualidade: o trânsito caótico. Nesse sentido, a integração de sistemas funciona como catalisadora da transformação.

Semáforos inteligentes recebem informações de satélite, sendo capazes de ajustar automaticamente a temporização para dar fluidez aos sentidos com mais tráfego.

Com a mobilidade de smartphones e o apoio de tecnologias da Internet das Coisas, os agentes de trânsito também podem trabalhar com mais eficiência e rapidez ao serem direcionados para pontos mais problemáticos ou solicitar a manutenção de sinalização em questão de segundos.

Segurança

Outro grande ponto de preocupação nos grandes centros urbanos é a segurança de seus habitantes. Afinal, por mais eficiente que seja a força policial, costuma ser impossível manter a proporção ideal de agentes para atender prontamente a todas as ocorrências. Pensando nisso, as Smart Cities têm apostado cada vez mais em monitoramento por inteligência artificial.

Imagine só: com a ajuda de câmeras de segurança, os vigilantes não precisam mais ficar disponíveis 24 horas por dia, já que tecnologias de reconhecimento facial podem identificar possíveis riscos e acionar automaticamente a polícia.

Sustentabilidade

Quanto maior é a cidade, maior também é a preocupação com a gestão de recursos — principalmente os naturais. Aí entra a implementação de tecnologia na administração pública, que pode aumentar de forma significativa a economia de energia e água, além de possibilitar uma distribuição mais efetiva para os habitantes.

Entretenimento

Mas atenção: a construção de uma cidade melhor para se viver não deve focar apenas no transporte e na segurança. O entretenimento também é um ponto importantíssimo, que pode ser transformado por meio de uma estrutura de TI integrada.

Na Inglaterra, por exemplo, sensores infravermelhos nos postes de luz gravam as sombras dos pedestres e projetam as imagens para acompanhar quem vier caminhando depois. Esse tipo de inserção artística em ruas e praças do município melhoram a qualidade de vida dos habitantes e incentivam o melhor uso do espaço público.

Turismo

Esse mesmo tipo de pensamento pode ser explorado para atrair pessoas de outras cidades ou até de outros países. Informações e guias de turismo integrados ao sistema da Smart City podem ser usados em aplicativos de celular para criar roteiros personalizados para cada visitante, enriquecendo a experiência e movimentando a economia local.

Como aplicar esse conceito na sua empresa?

Todas essas aplicações de inteligência no dia a dia da cidade não servem apenas para organizar o espaço, mas para realmente transformar a gestão urbana. Mas acha que esse mesmo conceito não pode ser usado dentro das empresas? Pois não só pode como deve!

Na prática, o meio corporativo usa a mesma base de gestão e controle para manter tudo funcionando. Assim, da mesma forma que as cidades, os negócios também podem se tornar mais eficientes e produtivos. Veja como!

Monitoramento por câmeras e reconhecimento facial

Os sistemas de monitoramento automatizados podem ser ainda mais úteis para o controle de pessoal dentro de uma empresa. Não apenas para garantir a segurança e identificar pessoas estranhas dentro do escritório, a tecnologia agiliza a verificação de credenciais, confere mais confiabilidade ao acesso e à edição de informações confidenciais, além de dar informações relevantes sobre o uso do espaço para que toda a operação interna da empresa possa ser redesenhada.

Gestão inteligente de recursos

Acredite: boa parte do desperdício de dinheiro dentro de grandes empresas vem do mau gerenciamento de seus recursos — luz, água, material de escritório e assim por diante. Somados no fim de cada mês, os pequenos abusos ao longo do dia podem terminar em grandes despesas.

Assim como acontece nas cidades inteligentes, a automação na gestão desses sistemas leva a uma economia significativa. Nesse caso, a tecnologia pode ser usada para controlar o consumo de energia, principalmente desligando sistemas quando em desuso.

Pode também identificar os maiores gastadores de recursos, elaborando planos de readequação e redesenho de processos para gastar menos sem afetar a produtividade.

Integração de sistemas e processos

Essa talvez seja a maior qualidade de uma Smart City que pode ser trazida para as empresas: a filosofia de integração. Imagine o controle automatizado de tráfego como sendo sua referência para a gestão corporativa: uma empresa sem gargalos produtivos e funcionários presos em um sistema lento, sem conseguir terminar suas tarefas.

Você pode pensar também no uso da Internet das Coisas e de aplicativos mobile que agentes e funcionários de manutenção usam para resolver problemas pela cidade: são ótimas oportunidades para guiar e informar, de maneira que todos os departamentos cumpram as funções mais urgentes imediatamente e estejam sempre onde a empresa precisa que estejam.

Como você viu, o conceito de Smart City não precisa ser aplicado apenas onde você mora. Na prática, ele pode servir de inspiração para que sua empresa também abrace a tecnologia, transformando o escritório em um espaço de integração, automação, economia e eficiência.

Se você se interessou pelo assunto e quer pesquisar mais sobre como usar a TI para integrar sua empresa, aproveite para ler sobre como unificar sistemas de gestão!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.

Deixar comentário.

Share This
Navegação