Tecnologia da Informação

11 tipos de licenciamento de software

Escrito por SONDA

A licença de software é um documento usado para garantir ao usuário o direito de acessar, modificar e executar um programa. É por meio desse documento que empresas desenvolvedoras de softwares conseguem limitar o uso de seus sistemas, o tipo de dispositivo em que o sistema será executado e suas políticas de segurança. Nesse acordo também são reguladas as políticas de suporte ao usuário e fatores como a liberação de cópias e distribuição entre outras pessoas.

Para empresas, conhecer os diferentes tipos de licenciamento de software é fundamental. Isso ajuda a definir uma estratégia de investimentos mais precisa, baseada na melhor escolha para o empreendimento. Sem contar que evita a aquisição de softwares piratas!

A avaliação do tipo de licenciamento de software usado pelas aplicações disponíveis para o negócio é um passo essencial para a realização de investimentos, pois dá à empresa a capacidade de identificar como o aplicativo será distribuído, explicita suas regras de uso e o nível de controle que o setor de TI terá sobre a aplicação. Que tal conhecer agora mesmo 11 tipos diferentes de licenciamento de software? Acompanhe!

1. Original Equipment Manufacturer (OEM)

Essa é a licença distribuída com computadores que são vendidos no atacado e no varejo. Nesse caso, o licenciamento é vendido diretamente para fabricantes de dispositivos, que instalam os programas e o sistema operacional antes de vendê-los aos consumidores.

2. Full Packaged Product (FPP)

Essa licença é destinada aos produtos de software adquiridos diretamente no varejo, seja em caixas ou com o envio da key diretamente ao usuário. Como o FPP é destinado a vendas em baixo volume, é mais comumente adotado por microempresas e usuários finais.

3. Microsoft Open License

O Microsoft Open License é um programa de licenciamento de software voltado para empresas que procuram adquirir 5 ou mais licenças. Nesse caso, vendidas em pacote, as licenças costumam sair por um preço mais em conta do que se os mesmos produtos fossem adquiridos no varejo. Dessa forma, o retorno sobre o investimento para a empresa aumenta.

4. Microsoft Open Business

Nesse tipo de licenciamento de software, a Microsoft pretende atender empresas que buscam um preço melhor para a aquisição de múltiplas licenças de diferentes produtos. Por meio do Open Business, a companhia consegue um melhor retorno sobre seu investimento ao adquirir mais de um produto da Microsoft — como licenças do Windows e do pacote Office.

5. Microsoft Open Volume

Essa é uma modalidade voltada para empresas que possuem uma grande infraestrutura de TI. Aqui, o preço é reduzido desde que o pedido inicial envolva diferentes grupos de produtos da empresa — como aplicativos para desktops e sistemas operacionais para servidores.

6. Microsoft Open Value

O Microsoft Open Value é uma modalidade voltada para empresas que buscam manter suas ferramentas sempre atualizadas por meio do Software Assurance (AS). O pagamento das licenças é dividido em parcelas anuais, reduzindo o impacto orçamentário da aquisição e atualização de sistemas.

7. Microsoft Select License

Esse programa é ideal para negócios que pretendem licenciar sistemas em grandes volumes por períodos de 3 anos. O Microsoft Select License é voltado para a aquisição de mais de 250 licenças de um grupo de programas da companhia.

8. Microsoft Enterprise Agreement

Feito pensando em licenciamentos volumosos, o Microsoft Enterprise Agreement é perfeito para empresas que querem padronizar os tipos de sistemas usados por preços especiais. Também é feito para companhias com mais de 250 licenças ativas.

9. Microsoft Subscription Agreement

Similar ao Microsoft Enterprise Agreement, esse modelo tem como modo de investimento o pagamento por meio de assinaturas. Nessa modalidade, a empresa pode desfrutar dos serviços da plataforma corporativa da Microsoft (composta pelo pacote Office, o Windows em suas versões corporativas e sistemas como Windows Server) em larga escala.

10. Software as a Service (SaaS)

Também chamado de software como serviço, o SaaS é o principal modelo de licenciamento para aplicações na nuvem. Já é aplicado em uma série de soluções, como o SAP Business One e o Microsoft Office 365. No SaaS, a empresa paga uma assinatura mensal para o uso de determinado programa, como se ele fosse um serviço. O valor de cada assinatura pode variar conforme a quantidade de recursos contratados ou o número de usuários ativos.

Em geral, o SaaS é caracterizado por disponibilizar a última versão disponível de um sistema para o usuário enquanto sua assinatura está ativa. Assim, ele consegue garantir continuamente acesso aos últimos recursos disponibilizados pelo desenvolvedor de software, sem ter que se preocupar com atualizações e manutenções.

11. On-premise

O on-premise é um modelo usado por empresas como a SAP. Nesse caso, o sistema é instalado diretamente na infraestrutura de TI de quem contrata os serviços de software. Em geral, é adquirido por meio de um revendedor autorizado. Os custos relacionados à gestão dos recursos para a execução da aplicação são pagos diretamente pela empresa que compra o sistema, fator que contribui para o fato de o software vendido por meio desse modelo ser, em geral, mais caro que aplicações licenciadas em modelos como o SaaS.

Isso acontece porque, nesse caso, a empresa deve arcar diretamente com todos os cursos relacionados a manutenção, gestão e aquisição de dispositivos, como servidores e equipamentos de rede, para manter seus serviços funcionais.

Ao contrário de aplicações de código aberto, em que modificações não só são permitidas como são incentivadas por vários desenvolvedores, a maioria das licenças de softwares proprietários impede que o negócio modifique os sistemas. Mas isso não impossibilita que a companhia contrate uma ferramenta personalizada de acordo com suas necessidades! Em muitos casos, é possível transformar o software em um serviço, modificando os recursos contratados e adaptando a aplicação às necessidades internas.

Conhecendo as diferentes opções disponíveis no mercado, a empresa pode adquirir sistemas com altíssimo custo-benefício. As opções de suporte, gestão de dados e segurança digital podem ser alinhadas com as demandas do negócio, ampliando o retorno sobre o investimento, independentemente de a escolha envolver um sistema de execução local ou uma infraestrutura de computação na nuvem.

Agora que você já conhece diversos tipos de licenciamento de software, responda: como lida com a aquisição de sistemas para sua empresa? Compartilhe este post em suas redes sociais comentando sobre suas estratégias!

 

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.

Deixar comentário.

Share This
Navegação