Tecnologia da Informação

O que é uma arquitetura de segurança adaptável?

Escrito por SONDA

No universo das redes sociais, da computação em nuvem e da Internet das Coisas, a segurança digital possui um papel de destaque. As novas plataformas de TI revolucionaram a forma como lidamos com tecnologia, criando um ambiente de trabalho com mais mobilidade, flexibilidade e convergência. Ao mesmo tempo, tais mudanças ampliaram a quantidade de informações que circulam em meios digitais, o que expõe negócios a novos desafios.

Para adaptar-se aos novos tempos, a empresa deve criar mecanismos para manter a sua infraestrutura segura e protegida contra ameaças. Nesse cenário, uma nova tendência destaca-se entre as principais abordagens de segurança em TI: a arquitetura de segurança adaptável.

Quer saber como ela é feita e quais as suas bases? Então veja o nosso post de hoje!

Princípios da arquitetura de segurança adaptável

A arquitetura de segurança adaptável é um novo conceito em segurança de sistemas, voltado para negócios que precisam proteger uma infraestrutura de TI que possui um grande número de equipamentos inteligentes e softwares convergentes conectados entre si. Ela tem como base uma rotina de operações mais integradas, que levam técnicos de TI para dentro do ambiente corporativo e, dessa forma, passam a adotar uma postura mais flexível e ágil.

Quando as políticas de segurança digital adotam essa abordagem, o negócio consegue otimizar as suas políticas de TI de forma inteligente. A proteção dos dados privados e dos sistemas de comunicação digital é feita levando em conta um número maior de fatores, o que amplia a capacidade de gestores bloquearem o acesso não autorizado a recursos.

A arquitetura de segurança adaptável tem como base um conjunto de princípios, são eles:

  • busca por formas inteligentes de prevenir ataques;
  • análise proativa de sistemas, identificando rapidamente vulnerabilidades de segurança;
  • levantamento dos riscos aos quais os usuários estão expostos;
  • implementação de configurações de segurança rígidas logo durante o desenvolvimento e o deploy de novos sistemas;
  • manutenção de sistemas críticos em ambientes isolados;
  • treinamento de profissionais para adotarem técnicas de resposta a ataques digitais;
  • desenvolvimento de rotinas para identificar e mitigar incidentes com agilidade;
  • priorização das rotinas de detecção e mitigação de ataques e brechas de segurança;
  • reavaliação constante do impacto das mudanças que são feitas no ambiente corporativo;
  • expansão das políticas de segurança digital em toda a infraestrutura de TI;
  • comunicação constante com outros setores.

Bem implementada, a arquitetura de segurança adaptável dá ao profissional de TI a capacidade de monitorar um ambiente de TI complexo. Os recursos serão configurados de acordo com o seu perfil de uso e todos os dados poderão ser enviados ou recebidos em uma infraestrutura confiável. Assim, usuários podem manter uma rotina mais flexível e que tenha a tecnologia como meio de inovação e eficiência.

Como a segurança adaptável torna sistemas mais seguros e confiáveis

A arquitetura de segurança adaptável faz uso de um conjunto de estratégias para manter a infraestrutura de TI do negócio eficiente, com alta disponibilidade e integridade. Tais abordagens serão flexíveis e revisadas constantemente, garantindo que o empreendimento poderá evitar ataques continuamente.

O aumento da proteção proporcionado pela arquitetura de segurança adaptável ocorre, principalmente, pela mudança de postura que as novas tendências do setor exigem do profissional de TI. Hoje, empresas precisam criar diretrizes para que os seus profissionais possam ter uma rotina com alta mobilidade, que integre soluções de Big Data a aplicações na nuvem e dispositivos da Internet das Coisas sem comprometer a segurança dos seus dados privados.

A arquitetura de segurança adaptável permite que profissionais de TI segmentem os pontos críticos da infraestrutura de TI sem comprometer a acessibilidade a recursos essenciais. Bloqueios automáticos serão adotados quando for necessário e, ao mesmo tempo, o monitoramento das ferramentas permitirá a detecção rápida de ameaças e contas que estejam comprometidas.

A tomada de decisões em caso de ataques será mais ágil. Como o gestor de TI terá na sua mão um número maior de dados, ele conseguirá identificar a melhor forma de solucionar problemas e eliminar as brechas de segurança.

Com a comunicação constante com outros setores, o impacto da política de segurança e privacidade é ampliado. O gestor de TI terá como identificar de qual maneira as regras de controle afetam o dia a dia de cada usuário e, assim avaliar se há a necessidade de efetuar mudanças para otimizar o desempenho de aplicativos e equipamentos de TI. Ao mesmo tempo, o direcionamento das políticas será sempre baseado nos objetivos de cada área.

Enfrentando os desafios da infraestrutura de TI moderna

Os últimos anos foram marcados por grandes mudanças no ambiente de TI corporativo. Empresas precisam adotar estratégias para proteger novas tecnologias, como a computação em nuvem e a Internet das Coisas contra ameaças digitais.

Segundo a Gartner, uma das principais consultorias em TI do mundo, o novo ambiente de TI exige dos negócios a capacidade de rever as suas políticas de segurança digital. A empresa deve adotar processos mais flexíveis e rotinas que se adaptem rapidamente a mudanças do mercado, mudando o foco das suas estratégias.

Políticas de segurança digital reativas não são mais capazes de proteger usuários. Se antes a ideia era focar em técnicas de bloqueio de ameaças e controles baseados em normas, agora o empreendimento também precisa garantir que dados poderão circular na infraestrutura de TI com integridade e disponibilidade elevada.

Apesar de ser impossível ter uma camada de defesa que seja imune contra qualquer tipo de ameaça, a empresa precisa preparar-se para enfrentar os principais ataques que ocorrem em meios digitais. Nesse sentido, a arquitetura de segurança adaptável possui um papel de destaque, proporcionando o ambiente ideal para que o negócio consiga manter os seus usuários protegidos e com a sua privacidade garantida. 

Ao longo dos próximos anos, as empresas que possuírem uma infraestrutura de TI robusta e confiável sairão a frente de seus concorrentes. Garantir a integridade e confiabilidade dos dados digitais tornou-se algo crítico e que não pode ser ignorado por gestores de TI. Se você quer saber como proteger-se e receber as novidades do nosso blog sobre tecnologia e segurança digital, siga os nossos perfis no Facebook, LinkedIn, Google+ e Twitter!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.