Tecnologia da Informação

6 passos para uma boa detecção comportamental de ameaças

Escrito por SONDA

Ataques cibernéticos que comprometem toda a operação de milhares de empresas: se você parar para pensar, perceberá como esse cenário tem se tornado mais e mais frequente. E é justamente esse o contexto que coloca a detecção comportamental de ameaças como uma solução que simplesmente não pode faltar em qualquer empreendimento, seja um hospital público ou uma megacorporação privada.

Vírus do tipo ramsomware invadem sistemas inteiros, se proliferam com uma rapidez enorme e confiscam dados, exigindo resgate. Eles podem ser transmitidos a partir de aplicativos mobiles ou até links enviados por e-mail. Mas atenção: apesar de essa ser a ameaça do momento, definitivamente não é a única! Existem diversos tipos de riscos que podem comprometer a segurança dos dados da sua empresa. Então nada de ficar parado!

Comece a se mexer agora mesmo, conferindo os 6 passos que preparamos no post de hoje para fazer uma boa detecção comportamental de ameaças!

1. Conheça suas vulnerabilidades

Um bom diagnóstico interno de riscos pode indicar ao menos quais são as principais vulnerabilidades da segurança de dados do seu negócio. Sabia que existem até empresas especializadas em promover ataques controlados a sistemas corporativos para identificar onde estão as brechas? O mesmo é feito por quem comercializa sistemas operacionais, como Windows e Linux, com cada nova versão vindo para cobrir falhas da anterior e, assim, oferecer mais segurança aos usuários.

Entender a origem de um ataque cibernético é o ponto de partida para mapear por que caminho uma ameaça pode seguir em sua rede. Dessa forma, é possível criar barreiras que impeçam a proliferação de vírus e ataques de hackers, desenvolvendo níveis de segurança cada dia mais eficazes.

2. Implemente tecnologias modernas

O grande perigo de ameaças como cryptolockers é que eles se adaptam rapidamente a fim de contornar obstáculos. Assim, uma barreira criada hoje já pode ser superada amanhã, permitindo que esse agente invada seu sistema e dê continuidade ao sequestro dos seus dados.

No fim das contas, mesmo que não seja 100% certo que as tecnologias conseguirão bloquear tais ameaças, ainda é recomendável manter sua empresa com o que há de mais novo no mercado em termos de cibersegurança. Afinal, os negócios que fornecem esse tipo de solução estão em constante corrida contra o tempo para tentar antever essas ações criminosas e oferecer a seus clientes soluções robustas no combate ao cibercrime.

3. Atualize constantemente as tecnologias

Como citamos no início do post, diversas ameaças podem ser disseminadas via dispositivos mobile, mas esses riscos também podem se proliferar via e-mail, chats internos e até SMS! É essencial, então, manter suas tecnologias sempre atualizadas.

Isso significa usar aplicativos antivírus no smartphone e até apps de criptografia de dados, que impedem que as informações do celular sejam roubadas. Também é necessário atualizar softwares, sistemas operacionais e demais ferramentas, como os chats usados para comunicação interna. A boa notícia é que os fornecedores dessas soluções estão sempre buscando formas de eliminar riscos de roubo de informações.

4. Use sistemas de detecção comportamental de ameaças

Muitas vezes, as ameaças deixam rastros de tentativas de invasão. Falhas sistêmicas, bugs, arquivos corrompidos, acessos estranhos à sua base de dados: tudo isso pode ser identificado com antecedência, desde que você tenha um sistema de detecção comportamental de ameaças bem estruturado.

Comece por implementar tecnologias que reportem qualquer tipo de variação suspeita nas suas atividades. Integre todas as soluções de segurança que a empresa tem a um Business Intelligence, a fim de ter relatórios precisos sobre o comportamento dos usuários na sua rede. Analise e, claro, use essas informações para eliminar riscos e melhorar sua estratégia de segurança.

5. Adote vários métodos de autenticação

Hoje em dia, nossas vidas são repletas de senhas — do banco, do cartão de crédito, do e-mail, das redes sociais, do sistema da empresa e por aí vai. Como até a memória tem um limite, não é nada raro que se use a mesma senha para várias plataformas. Eis aí um risco com o qual você precisa contar!

Imagine que um funcionário tem o computador pessoal invadido e todas as suas senhas são roubadas. Se ele usa a mesma senha para acessar o sistema da empresa, essa é a oportunidade perfeita para uma invasão na sua rede. O melhor a fazer, então, é implementar diversas formas de autenticação, conferindo se é realmente a pessoa em questão que está acessando os dados.

Isso pode ser feito com o envio de e-mails de confirmação, de mensagens SMS ou mesmo geradores automáticos de senhas, como os tokens usados pelos bancos. Atualmente, aplicativos mobile fazem esse trabalho, gerando uma nova senha de acesso a cada minuto. Caso aconteçam várias tentativas frustradas de acesso, o sistema pode bloquear o usuário até que o problema seja verificado.

6. Dê preferência a soluções na nuvem

No ambiente corporativo ainda há muito receio em migrar dados para a nuvem. Se você também tem suas dúvidas, isso acaba aqui! Saiba: atualmente, as soluções de segurança em nuvem são as mais avançadas. Os fornecedores de sistemas, ferramentas e aplicativos em cloud investem muito em camadas de segurança — caso contrário, estariam perdendo clientes e perderiam a reputação de cloud, praticamente removendo a marca do mercado no boca a boca.

A grande vantagem de manter seus dados na nuvem é que a preocupação por oferecer segurança passa a ser do fornecedor da solução, não mais sua. Nesse caso, cabe à equipe de TI conferir quais são os dispositivos usados pelo fornecedor e se eles atendem às necessidades da empresa, selando esse compromisso no contrato e no SLA (acordo de nível de serviço), que traz garantias de cumprimento de diversas cláusulas, incluindo atendimento de necessidades de ambos os lados.

Feito isso, seu negócio diminui a preocupação com ciberataques, pois mesmo com os dados em cloud, a empresa tem diversas eventualidades e processos que devem ser seguidos para garantir segurança, confidencialidade e integridade dos dados.

É claro que esse não é o único benefício proporcionado pelas soluções na nuvem, mas já falamos sobre isso em outros posts aqui do blog. Que tal aproveitar para entender as vantagens de migrar para cloud computing?

Quer mais dicas para proteger sua empresa e implementar sistemas de detecção comportamental de ameaças? Assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente na sua caixa de entrada!

 

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.

Deixar comentário.

Share This
Navegação