Tecnologia da Informação

8 estágios da transformação digital para passar com sucesso

Escrito por SONDA

A cada dia se fala mais da transformação digital, até porque essa estratégia vem sendo adotada por mais e mais empresas que buscam se atualizar e gerar mais resultados. Mas você conhece os estágios da transformação digital?

Ao contrário do que muitos podem pensar, não se trata apenas de investir em tecnologia. A verdadeira transformação digital é um processo que envolve uma série de pontos.

Seu objetivo é despertar todo o potencial das organizações por meio do que há de mais moderno em termos de recursos e ferramentas.

Quer entender melhor o que a transformação digital significa e como implementá-la com sucesso? Então, continue lendo!

O que é a transformação digital?

Você sabe o que é a transformação digital? Então, tenha em mente que se trata de um processo que busca adaptar ou mudar os modelos de negócio para aproveitar ao máximo as tecnologias existentes e, assim, passar a explorar toda a capacidade de uma empresa.

Portanto, não se trata somente de instalar algumas ferramentas tecnológicas. O movimento é muito mais profundo, pois, muitas vezes, envolve abrir mão da maneira atual de fazer negócios.

Em outras palavras, a transformação digital é um processo que — em função de novas tecnologias e modelos de negócios disruptivos — muda a maneira por meio da qual as empresas geram valor.

É uma revolução interna na empresa que tem como consequência melhorias externas, gerando mais valor para acionistas, clientes e parceiros. Por meio da transformação digital, uma organização aumenta suas condições de trazer resultados em todas as áreas.

Cada vez mais os consumidores esperam que as marcas tragam a tecnologia como ferramenta para facilitar suas vidas e melhorar o uso dos produtos e serviços. Portanto, esse é um processo que respeita a vontade daqueles que tornam tudo possível: os clientes.

Hoje, fala-se muito sobre os estágios da transformação digital. Entretanto, poucas corporações estão realmente preparadas para passar por uma jornada de mudanças profundas, alterando estruturas organizacionais e mexendo no jeito de conduzir as operações.

Há casos em que, durante essa evolução, a organização identifica até mesmo a necessidade de atualizar a missão, visão e valores do negócio. Ou seja, um pré-requisito para passar com sucesso pela transformação digital é estar aberto às mudanças, por mais desconfortáveis que elas possam parecer em um primeiro momento.

Quais são os motivos para adotar a transformação digital?

Atualização tecnológica constante

Até alguns anos, algumas organizações adotavam novas tecnologias em seus produtos, serviços ou nas operações internas como forma de gerar diferencial competitivo.

Atualmente, a situação é outra. Quem não se atualiza rapidamente fica para trás, já que os concorrentes estão constantemente se atualizando e implementando tecnologias. Essa nova realidade se aplica a todos os setores.

Na indústria, a tecnologia é responsável por revolucionar processos produtivos, gerando muito mais produtividade e rentabilidade. Já no varejo, as inovações proporcionam logísticas e gestões de estoque muito mais eficientes, assim como gestões de compras e vendas que exploram ao máximo as margens existentes. Nos serviços, por sua vez, a possibilidade de realizar tantas tarefas pela internet mudou a forma como as empresas entregam suas soluções.

Concorrência acirrada

Como comentamos anteriormente, os concorrentes tradicionais adotam a tecnologia como forma de não perder diferenciais competitivos. Porém, atualmente, existem inúmeros negócios que já nascem a partir das novas tecnologias.

Pense em marcas como Airbnb, Uber, PayPal, Nubank e Waze. Muita gente acha que essas companhias não passam de simples aplicativos de celular. Contudo, a realidade é muito mais profunda. Tratam-se de organizações que nasceram a partir do que a tecnologia oferece de mais moderno nas relações entre empresa e consumidor.

Ou seja, o aplicativo é só uma maneira de melhorar a experiência do usuário e agregar ainda mais valor ao serviço oferecido. Sem cobrar caro, diversas marcas conseguem proporcionar grandes benefícios, sendo vistas como alternativas baratas que entregam alto valor.

O que deve ser percebido é que a tecnologia foi justamente o ponto fundamental que fez com que essas organizações pudessem baixar os custos internos, oferecendo soluções de alta qualidade a preços altamente competitivos.

Ferramentas com ótimo custo-benefício

Um dos maiores motivos para adotar a transformação digital também é uma das melhores notícias que você poderia ler neste texto: a alta tecnologia nunca foi tão barata. Hoje temos à disposição ferramentas que oferecem uma ótima relação custo-benefício. Há softwares, aplicativos e plataformas que permitem executar inúmeras tarefas por custos bastante acessíveis.

Alguns exemplos são os sistemas de gestão, softwares de CRM (Customer Relationship Management), ferramentas de automação de marketing digital e tecnologias de atendimento ao cliente.

Além de eficientes e baratos, os sistemas da atualidade podem ser integrados uns com os outros. Dessa maneira, sua empresa pode controlar tudo em um só lugar, entrelaçando informações e dados estratégicos para gerar relatórios e análises gerenciais.

Somado a isso, o custo com infraestrutura também passa a ser infinitamente menor, já que, hoje, a maior parte das ferramentas opera no modelo de cloud computing (nuvem). Assim, basta ter acesso à internet para aproveitar todas as funcionalidades das plataformas, podendo até mesmo executar tarefas a distância.

Tudo isso faz com que a transformação digital gere aumento de produtividade e redução de custos desde as primeiras etapas da implementação. Sem falar, é claro, das grandes mudanças que trazem vantagens competitivas enormes no médio e longo prazo.

Aumento do uso de tecnologia pelos clientes

Segundo pesquisas, atualmente, existem mais de 7 bilhões de dispositivos móveis (como smartphones e tablets) sendo utilizados ao redor do mundo.

Além disso, há 11 bilhões de aparelhos conectados à internet no total. Isso significa que o contexto no qual as empresas fazem negócios mudou. Hoje, não basta pensar somente no produto ou serviço que está sendo oferecido. Todas as interações digitais fazem parte da experiência do cliente.

Nesse cenário, a transformação digital ganha uma importância ainda maior. Para ter uma ideia, US$ 3,7 trilhões já são gastos todos os dias em compras pela internet. É por isso que qualquer processo de mudança deve considerar a tecnologia como parte integrante do modelo de negócio em si — e não apenas uma ferramenta para dar suporte ao modelo atual.

Quais são os benefícios para a empresa?

Tendo em mente os pontos levantados no tópico anterior, as organizações podem implementar essa mudança e obter uma série de vantagens, abocanhando uma parte do faturamento de trilhões de dólares disponível por meio das transações online.

Veja a seguir alguns dos benefícios da transformação digital que as companhias podem colher. As informações incluem dados de uma pesquisa realizada entre instituições que passaram com sucesso pelos estágios da transformação digital:

Ampliação do market share

Entre as empresas que implementaram a transformação digital, 41% relataram aumento da sua fatia de mercado (market share). Isso ocorre por vários motivos. Primeiramente, diversas dessas marcas passam a aproveitar um canal de vendas gigantesco que antes era pouco explorado: a internet.

Além disso, as melhorias nos modelos de negócio trazem vantagens tecnológicas que dão destaque diante dos concorrentes, fazendo com que mais consumidores escolham a sua marca em vez dos seus competidores.

Crescimento do faturamento

Somado à ampliação do market share, 30% das empresas também relataram aumento no faturamento. Com o aumento das possibilidades de venda e a melhoria da experiência do cliente, vender mais é uma consequência natural.

Avanço no engajamento

Sabemos que, atualmente, as pessoas estão sempre conectadas. Por isso, empresas que pensam na tecnologia como parte integrante do negócio acabam construindo relacionamentos muito melhores com seus públicos.

Entre as companhias que passaram pelos estágios da transformação digital com sucesso, 37% reportaram um crescimento do engajamento com os consumidores nos canais digitais.

Aumento do número de visitantes

O simples fato de pensar na tecnologia desde o início da estratégia faz com que as marcas passem a cuidar mais dos seus sites e dos canais digitais. Com isso, a estrutura e a divulgação dessas mídias melhora, fazendo com que 32% das organizações notem um aumento no número de visitantes.

Melhoria da eficiência

Para ser implementado com sucesso, o processo de transformação digital deve contar com mensuração de resultados e aprimoramento da gestão dos dados. Com isso, a empresa naturalmente nota uma melhoria da eficiência dos processos.

Expansão da satisfação

Já falamos sobre o aumento do engajamento com os consumidores, mas isso não é tudo. Entre aqueles que realmente se tornam clientes das marcas que adotam a transformação, também há uma expansão da satisfação.

Isso acontece porque a marca passa a estar disponível em uma série de canais, além de aumentar sua atenção para a experiência do usuário. A relação se estreita, já que a instituição passa a se preocupar com a maneira como as pessoas utilizam a tecnologia para usufruir de seus serviços e produtos.

Criação de vantagem competitiva

Um dos pontos interessantes da transformação digital é que ela automaticamente gera uma série de vantagens competitivas. Entre elas, estão ideias para novos produtos, redução de custos operacionais, adição de novas fontes de receita, conquista de clientes e aumento da produtividade.

Quais são os principais estágios da transformação digital?

Como mencionamos, a transformação digital é um processo e não apenas a iniciativa de investir em tecnologia. Sendo assim, existem diferentes etapas pelas quais uma empresa deve passar para garantir a incorporação do conceito na prática, gerando os benefícios esperados para o negócio e permitindo que a marca se destaque no mercado.

1. Criação de uma cultura de inovação constante

O primeiro passo para que a transformação digital seja possível é abraçar a inovação. A empresa precisa compreender que inovar não é uma atividade pontual, mas sim uma cultura. Assim, exige organização, conhecimento e criação de processos envolvendo todos os departamentos.

No contexto empresarial, a inovação constante é maior garantia para a criação de vantagens competitivas capazes de manter a companhia em destaque no mercado. A partir desse entendimento, é papel dos gestores incentivar seus liderados a trazerem novas ideias. Para isso, é válido trazer exemplos de inovações, fazer reuniões periódicas de ideias e estimular a criação coletiva.

Acima de tudo, deve-se criar um ambiente no qual as sugestões e a colaboração sejam naturais. O escritório deve ser um espaço onde é permitido errar, aprender, adaptar e medir resultados, sempre em busca de melhorias.

Para que tudo isso seja possível, é útil estabelecer objetivos e métricas de inovação, definindo quais são os problemas a serem resolvidos de forma criativa e monitorando a quantidade de ideias que as equipes apresentam. Por exemplo, se a meta for aumentar as vendas em 10% no trimestre, cada funcionário poderá propor ideias para que isso se torne uma realidade.

2. Exploração do potencial da empresa no mercado

No segundo estágio da transformação digital, o foco ainda não está na tecnologia como forma de disrupção, mas sim na expansão do potencial atual da empresa. Nesse momento, as companhias continuam trabalhando com o modelo de negócio com o qual estão acostumadas, adotando a tecnologia sem mudar o negócio. O objetivo aqui é trazer mais velocidade e precisão a partir do uso de softwares e equipamentos modernos.

Conforme a utilização da tecnologia vai se tornando natural no dia a dia da empresa, fica mais fácil olhar para as novas ferramentas como pontos de partida para gerar ainda mais valor aos clientes, acionistas, parceiros e colaboradores.

Esse ainda é um ponto de partida básico para que a instituição não seja facilmente superada pelos concorrentes, já que, hoje em dia, não há setor em que a tecnologia não esteja presente. Resumindo, o segundo estágio da transformação digital ainda tem um foco muito mais operacional do que estratégico, visando à produtividade e à eficiência.

3. Planejamento do processo de transformação digital

É a partir do terceiro estágio que a empresa começa a falar em transformação digital de fato. Apesar de ainda estar apenas no campo das ideias, essa fase é fundamental para planejar o processo de mudança. Aqui, normalmente começam a ocorrer iniciativas isoladas de experimentação e inovação digital. O objetivo é gerar grandes melhorias em processos específicos. Quer um exemplo?

Se na segunda etapa a empresa utiliza um software de gestão para mensurar o tempo de trabalho e ser mais produtiva, no terceiro estágio, ela já utiliza todos os dados captados pelo sistema para planejar mudanças estratégicas.

Portanto, esse é o momento em que a empresa compreende que o planejamento tecnológico e o plano de negócio devem andar juntos. À medida em que a operação se expande, é necessário prever quais tecnologias serão necessárias e como essas modernidades auxiliarão os líderes da companhia a tomarem decisões e projetarem o futuro.

Ao planejar os estágios da transformação digital, é preciso considerar quais planejamentos estratégicos de tecnologia da informação (TI) são mais prováveis de ocorrerem. A partir daí, deve-se rever as limitações, riscos e implicações de cada possibilidade.

Esse também é o momento em que os softwares e equipamentos modernos são formalizados como parte fundamental do processo produtivo, pois, naturalmente, geram valor e proporcionam inovações para o negócio. Nessa etapa, a organização pode até implementar treinamentos específicos de TI e laboratórios de inovação.

4. Identificação das tecnologias com potencial de transformação

Na quarta etapa, as iniciativas se tornam mais ousadas e a experimentação de novas tecnologias e modelos de negócio passa a ser intencional. Ou seja, os testes deixam de ser um detalhe na estrutura da empresa e passam a ser parte dos processos diários.

Com isso, torna-se possível não apenas pensar em ferramentas que vão facilitar o dia a dia da organização, mas também identificar as tecnologias que podem transformar profundamente a empresa. Isto é, encontrar aqueles recursos tecnológicos capazes de mudar para melhor o modelo de negócio e gerar mais valor para os stakeholders.

Enquanto o sucesso nessa etapa pode significar disrupção do modelo de negócio e hegemonia no mercado, uma falha pode custar até mesmo a existência da marca. Um exemplo disso foi o que ocorreu com a Nokia.

A companhia estava desenvolvendo um sistema de navegação com GPS para guiar motoristas que utilizavam seus smartphones no trânsito. Para dar vida ao projeto, a Nokia investiu mais de US$ 8 bilhões na aquisição de uma empresa que mapeava ruas e estradas por satélite — um trabalho lento e custoso.

Na mesma época, os criadores do aplicativo Waze perceberam que poderiam utilizar a tecnologia como centro de um novo modelo de negócio. Essa ideia inovadora consistia em usar as informações dos próprios usuários dos smartphones para alimentar o sistema e fornecer todos os dados necessários. Assim, criaram o GPS mais ágil e barato da história. Esse é um exemplo de uma empresa que pegou um negócio tradicional e identificou uma tecnologia com potencial gigantesco de transformação.

5. Incorporação das ferramentas como parte do negócio

Após identificar tecnologias que podem transformar o negócio para melhor, é hora de incorporá-las como parte do modelo empresarial. Esse é um dos passos que exige mais coragem por parte dos gestores, já que, em muitos casos, é preciso mexer na forma como as coisas vêm sendo feitas até então.

Note que essa é a hora de olhar para o processo de transformação digital de maneira estratégica. É importante contar com uma equipe de implementação e definir quais serão as ações, qual será o investimento para cada uma delas e quem serão os responsáveis pela gestão e execução.

Nesse ponto, vários processos produtivos já podem estar totalmente baseados em softwares inovadores, tornando a estrutura organizacional mais enxuta, eficiente e horizontal. Ao adotar definitivamente a tecnologia como parte da estratégia do negócio, a mudança vai muito além da tecnologia em si. A cultura da inovação adotada lá no início garante que exista uma colaboração profunda entre as diferentes áreas e profissionais envolvidos nas alterações.

6. Adoção de um modelo de infraestrutura convergente

Na sexta etapa, a corporação deve consolidar de uma vez por todas uma infraestrutura para as estratégias e ações. Essa nova célula — também chamada de terceira plataforma na transformação digital — envolve o desenvolvimento de cargos, processos e sistemas para apoiar o processo.

Do ponto de vista estratégico, é fundamental que os objetivos dessa equipe estejam centrados no cliente e alinhados às metas empresariais. A partir do momento em que uma empresa está baseada em tecnologia e tem sua infraestrutura convergente, fica muito mais fácil aplicar um modelo de negócio disruptivo, isto é, capaz de reinventar um setor inteiro.

Exemplos de modelos disruptivos que já nasceram com base na tecnologia são o Uber, Nubank e Airbnb. Ao mesmo tempo, existem empresas que aplicaram a transformação digital para reinventar complemente suas operações. É o caso da Netflix, que começou como uma locadora de DVDs pela internet e se transformou na maior plataforma de streaming de séries e filmes do mundo.

7. Adaptação do negócio com base nas tendências tecnológicas

No fim das contas, dentro da transformação digital, a tecnologia nada mais é do que um meio para tornar a empresa inovadora e adaptável. Se você reparar, as companhias de maior sucesso na atualidade são justamente aquelas que não têm medo de se adaptarem e que buscam as tecnologias necessárias para isso. Quando os gestores de uma instituição percebem que a mudança é constante, a transformação digital passa a ser um modelo de negócios.

Mais do que mudanças práticas em processos produtivos, existe uma mudança profunda de mentalidade e atitude. Nesse estágio de maturidade, a organização se torna capaz de inovar e adaptar regularmente, perdendo o medo de passar por mudanças impulsionadas pela tecnologia. Afinal, ela entende que suas consequências serão positivas para os negócios e para a satisfação dos clientes.

Fica claro que as companhias que atingiram esse ponto lideram a inovação no mundo inteiro. Elas são as primeiras a implementarem automações e análises futuras que influenciam modelos de negócios se setores inteiros. Algumas das corporações mais valiosas do planeta se encontram nesse grau de maturidade, como Google, Facebook, Amazon e Apple.

8. Evolução constante com base nos resultados

O processo de transformação digital não é algo engessado e, portanto, sempre é possível mensurar os resultados para continuar gerando melhorias. Esse é o oitavo estágio, no qual tudo o que acontece serve como feedback para impulsionar novas mudanças.

Nesse sentido, os gestores devem trabalhar para prever quais serão os cenários mais prováveis para as plataformas digitais, preparando sua infraestrutura para antecipar e dar suporte aos planos futuros. Há momentos, por exemplo, em que pode ser necessário contar com o apoio de ecossistemas externos, a partir de parceiros e fornecedores — ou até mesmo dos próprios consumidores.

O importante, no entanto, é permanecer cultivando o hábito de analisar os resultados atuais para tomar decisões acertadas e continuar gerando as transformações necessárias para garantir a liderança do mercado.

Por fim, é importante lembrar que os estágios da transformação digital são um processo profundo que mexe com o modelo de negócio da companhia. Sendo assim, o mais importante não é querer terminar a implementação o quanto antes, mas sim desenvolver e aprimorar cada passo com o máximo de atenção.

Se você gostou deste conteúdo sobre a transformação digital, compartilhe nas suas redes sociais. Assim, mais colegas e amigos empreendedores poderão se beneficiar dessas informações!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.