Tecnologia da Informação

Gêmeo digital: o que é e como ajuda no desenvolvimento de um produto?

Escrito por

Inovação: esse deve ser o foco de toda empresa que deseja se diferenciar no mercado, manter uma curva saudável de crescimento e conquistar cada vez mais clientes. O detalhe é que, além de nem sempre ser um processo barato, inovar envolve alguns riscos. De olho nisso, diferentes metodologias e tecnologias vêm sendo criadas e testadas para agilizar e diminuir os custos no desenvolvimento de produtos. Uma dessas tecnologias é o digital twin ou, em português, gêmeo digital.

Vamos mostrar a seguir exatamente o que existe por trás desse conceito, por que ele é considerado uma tendência na TI empresarial e, ainda, como sua implementação pode beneficiar sua empresa. Curioso? Então confira!

O que é o gêmeo digital?

Ano após ano, a Gartner elenca as principais tendências de tecnologia digital no mundo corporativo, aquelas soluções que têm capacidade de modificar profundamente as empresas em curto e médio prazos. Para 2017, a consultoria citou tecnologias com as quais já estamos até começando a nos familiarizar, como a inteligência artificial, a realidade virtual e a arquitetura de segurança adaptável.

Mas há novidades, claro! Entre as 10 principais tendências surgiu o gêmeo digital. A solução é vista como uma maneira bastante vantajosa de melhorar os processos de criação, teste e correção na fabricação de novos produtos e equipamentos. E a Gartner ainda vai além, prevendo a popularidade dos gêmeos digitais daqui a 3 ou 5 anos.

Para entender essa transformação digital, é preciso compreender a tecnologia. Então vamos lá: como o próprio nome sugere, o gêmeo digital nada mais é que uma cópia virtualizada de processos reais. Isso significa que, ao mesmo tempo em que um novo produto é desenvolvido no plano físico, sua criação é emulada de forma digital em todos os seus aspectos.

Para isso, são usados sensores que captam informações do ambiente e aplicam esses dados na simulação do gêmeo digital. É justamente a partir desses dados que são realizadas análises e testes na versão virtualizada antes de serem transferidas para o produto de fato. E esse processo leva a uma série de vantagens competitivas, como falaremos a seguir.

Quais são suas vantagens?

O desenvolvimento de um novo produto sempre traz consigo uma série de desafios. Além dos custos do investimento, é preciso ter agilidade na fase de desenvolvimento, mas sem perder a efetividade, enfrentando a menor quantidade de contratempos possível. O problema é que, em um mundo cada vez mais dinâmico, em que a tecnologia e o mercado se transformam de maneira acelerada, esses desafios só se multiplicam. A boa notícia é que o gêmeo digital veio exatamente para melhorar alguns aspectos desse momento.

Diminui o tempo de produção

Coletar informações com ferramentas digitais é um processo ao mesmo tempo trabalhoso e ágil, já que pode ser realizado em tempo real. Os dados coletados podem ser testados e analisados imediatamente, encurtando a curva de aprendizagem para o desenvolvimento de um produto. Dessa forma, o processo de criar, colocar o produto em teste (no mercado ou internamente) e depois analisar o retorno passa a ser realizado em um ambiente digital, tudo da forma mais rápida e segura possível.

Reduz custos

Como falamos no tópico anterior, o desenvolvimento tradicional de um produto exige uma série de investimentos, indo desde a produção em si até o desenvolvimento de protótipos e teste em mercados reais. Com o gêmeo digital, por sua vez, esses processos são simulados em ferramentas virtuais, diminuindo o custo geral com o processo de manufatura.

Amplia a capacidade de adaptação

Uma das grandes vantagens do gêmeo digital é que, apesar de ser uma versão virtualizada, ele não desconsidera o contexto real do desenvolvimento de um produto. Isso significa que os testes não são realizados de forma descolada das realidades da empresa e do mercado, mas sim fortemente lastreados nelas. Isso, claro, porque os dados relevantes são captados na área de atuação da empresa, levando em conta informações vindas de clientes, de potenciais clientes, de fornecedores e do próprio mercado.

Melhora a previsibilidade de ganhos

Um dos principais receios de quem pretende inovar envolve a incerteza em relação à rentabilidade. E se o produto desenvolvido não der o retorno esperado? E se os custos de desenvolvimento não compensarem a mudança de um processo de manufatura? Pois esse tipo de questionamento pode ser respondido de antemão ao se realizar a digitalização do desenvolvimento do produto. Dessa forma, é possível saber de maneira bastante acurada se os investimentos realizados serão ou não rentáveis e em quais condições.

Aprimora a previsão de riscos e a correção de erros

Na medida em que ajuda a detectar erros que podem vir a acontecer e, consequentemente, trazer perdas reais, a gestão de riscos é um processo fundamental em qualquer empresa. Com um gêmeo digital, é possível realizar essa tarefa de maneira rápida e confiável. Uma empresa automobilística, por exemplo, pode captar as informações oriundas da frota já em circulação para prever desgastes em equipamentos, corrigi-los e, ainda, usar essas informações para aprimorar o desenvolvimento dos próximos veículos.

Como implementá-lo na empresa?

Para explorar o gêmeo digital na empresa, é preciso, antes de mais nada, reunir os equipamentos certos com uma equipe bem treinada. Em relação à tecnologia em si, é necessário desenvolver os sensores ideias para a modalidade de negócio em questão e pensar nas ferramentas certas para a transmissão dessas informações. Em geral, a computação na nuvem é que entra em cena, uma vez que um conceito claro na Internet das Coisas é que os produtos tenham capacidade de acessar a rede e enviar os dados para uma central de análise.

Em seguida, é preciso analisar essa grande quantidade de informações. Nesse momento, softwares de gestão empresarial, conhecidos como ERPs, podem ser boas opções, pois ajudam a traduzir dados em relatórios, tabelas e gráficos para agilizar a tomada de decisões por parte dos gestores. Além disso, o ERP integra informações do gêmeo digital com dados das demais áreas da empresa, garantindo que as decisões tomadas se encaixem no contexto.

Por fim, vale ressaltar que o mais recomendado é contar com uma empresa especializada para fazer com que as informações geradas pelo gêmeo digital tragam resultados realmente positivos. Para isso, além de serem capazes de analisar adequadamente as informações, esses profissionais também devem conseguir propor soluções e correções que funcionem tanto na versão virtualizada quanto na versão real de qualquer que seja o produto.

Agora comente aqui e nos conte se ainda ficou com alguma dúvida sobre o gêmeo digital ou outra tendência tecnológica empresarial! Compartilhe suas impressões conosco!

 

Sobre o autor