Gestão de Negócios

O que é preciso para gerar inteligência de mercado no meu negócio?

Escrito por SONDA

Já faz algum tempo que empresas têm percebido que explorar a enorme quantidade de dados provenientes da rede pode ser uma ação importante para aumentar sua competitividade. Para isso, vêm sendo desenvolvidas diversas técnicas que buscam ampliar a inteligência de mercado.

Trata-se, em linhas gerais, de captar dados brutos de clientes, leads, concorrentes e até do contexto de mercado para transformá-los em informações úteis para a tomada de decisões estratégicas. E por mais que esse processo definitivamente não seja simples, não há com que se preocupar.

Neste post, vamos mostrar exatamente o que sua empresa precisa fazer para transformar o Business Intelligence (BI) em um diferencial competitivo e impulsionar resultados. Confira!

Monitore o comportamento do consumidor

A inteligência de mercado é ponto central na disputa pela atenção do consumidor. Sabendo disso, muitas empresas têm investido de forma consistente em informações referentes a leads, que vão desde seu histórico de compras até suas curtidas em redes sociais. O objetivo é identificar um padrão de compras e, a partir daí, oferecer produtos ou serviços que se encaixem na demanda de qualquer que seja o público-alvo.

Para gerenciar todas essas informações, é preciso contar com a ferramenta digital correta. Nesse caso, as mais indicadas são baseadas na gestão de relacionamento com clientes — Customer Relationship Management (CRM). Esses softwares coletam informações relevantes sobre compradores e possíveis compradores, organizando-as de acordo com perfis ou segmentos.

Dessa forma, a empresa consegue identificar quais clientes fazem mais compras, quais têm um ticket médio mais alto ou que tipo de produto encontra mais saída junto a determinado segmento. Tudo isso é traduzido em forma de relatórios simples, de fácil visualização, para impulsionar a tomada de decisão dos gestores.

Capte e analise dados internos

Atenção: a inteligência de mercado não se restringe a coletar dados externos. Na verdade, ela também deve ser usada por aquelas empresas que desejam aprimorar seus processos internos de maneira eficaz, tornando-se, assim, cada vez mais competitivas. Os dados brutos de um negócio podem vir de diferentes fontes, desde relatórios de atividades, passando por auditorias internas, análise de contratos e até feedbacks de colaboradores. Só é preciso organizar esses dados para tornar a análise fluida e focada em resultados.

Mais uma vez, vale contar com o apoio da tecnologia para alcançar esse objetivo. Aí entram os softwares de gestão empresarial — Enterprise Resource Planning (ERP). Esses recursos automatizam a coleta de informação de todas as áreas da empresa e geram relatórios inteligentes, que podem ser visualizados por meio de gráficos e relatórios precisos. Assim, dados brutos são transformados em informações diferenciadas.

Acompanhe os movimentos da concorrência

Com meios confiáveis para identificar o comportamento de consumidores e contando com ferramentas para melhorar a gestão interna, chega agora o momento de olhar para as ameaças externas ao seu negócio. Em geral, essas ameaças são relativas à concorrência.

Para identificar os movimentos das empresas de segmentos afins à sua área de atuação, promova uma monitoria constante de suas ações no mundo virtual. Isso inclui ofertas no site, conteúdos disponibilizados no blog e até mesmo a forma de interação com novos seguidores nas redes. Observar a concorrência é uma maneira de não ser surpreendido por novas práticas ou produtos e serviços oferecidos que possam minar a competitividade do seu negócio. Esse movimento também ajuda a identificar tendências de mercado e direcionar o setor de atuação para curto, médio e longo prazos.

Procure identificar tendências

Dados do presente, quando bem utilizados, podem funcionar como ótimos guias de como será o mercado em um futuro próximo. Alterações na maneira como os clientes chegam à empresa e realizam suas compras, preferência por determinados tipos de produto ou modalidades de pagamento podem ser identificados tanto por flutuações sutis como por mudanças bruscas em ações atuais dos leads.

A análise de dados e as projeções baseadas em estatísticas devem, portanto, ser usadas para guiar a empresa na tomada de decisões relativas ao direcionamento de investimentos em inovação, a mudanças de estratégia em marketing e até mesmo à aplicação de práticas no setor de atendimento ou no pós-venda. O Business Intelligence é, portanto, uma forma de dar solidez ao planejamento estratégico, prevendo mudanças no mercado, apontando ações com potencial satisfatório e dando parâmetros de controle para monitorar resultados.

Use dados como ponto de partida

Terminamos o último tópico salientando que a inteligência de mercado deve ser usada como base para seu planejamento estratégico, certo? Então vamos agora nos aprofundar um pouco mais nesse assunto. O fato é que dados brutos são de pouquíssima valia se a empresa não sabe exatamente o que fazer com eles. Essas informações devem, portanto, servir como ponto inicial, patamar de onde ações e projetosserão desenhados e testados de maneira organizada. Para que isso seja possível, é essencial responder a algumas questões-chave. Pense se:

  • os dados coletados são relevantes para a área A ou B de atuação da empresa;
  • essas informações podem ser associadas a métricas de performance e, portanto, ajudar na monitoria de resultados;
  • a empresa tem capacidade de captar dados, armazená-los de maneira segura e traduzi-los de forma rápida e clara;
  • os dados podem ser correlacionados para facilitar decisões globais, que integrem ações em 2 ou mais setores da organização.

Com essas respostas em mãos, a empresa passará a captar apenas informações realmente relevantes, otimizando custos e esforços. Com isso, aumentará sua capacidade de transformar essas informações em matéria-prima para movimentações no mercado ou de alterar processos internos de forma efetiva.

Compartilhe informações corretamente

Vamos ser claros: toda a ideia por trás da inteligência de mercado está em produzir um verdadeiro ganho competitivo para a organização. Só que isso exige recursos e tempo. Portanto, é essencial que a empresa saiba garantir que o investimento trará o retorno esperado.

O principal erro que depõe contra a efetividade do BI é o compartilhamento indevido de informações. É necessário fazer que gestores e lideranças tenham acesso rápido aos resultados provenientes do uso de informações qualificadas, levando esse diferencial diretamente para o setor de operações da empresa. O resultado? Lideranças nutridas com informações recorrentes e confiáveis, conseguindo implementar ações críticas de maneira rápida e segura, explicando e motivando a equipe quanto à mudança de procedimentos no momento do trabalho.

Agora que você já conhece ao menos o básico sobre a geração de inteligência de mercado, chegou a hora de espalhar esse conhecimento. Compartilhe este post com seus colegas nas redes sociais!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.