Gestão de Negócios

Principais benefícios gerados pelo gerenciamento de ativos na empresa

Escrito por SONDA

A terceirização já é uma antiga conhecida de empresários e gestores, que eventualmente precisam contratar empresas de segurança, jardinagem, limpeza e assim por diante. Mas você sabia que terceirizar não significa apenas contratar serviços? Também é possível colocar ferramentas, infraestruturas e equipamentos sob a responsabilidade de fornecedores!

No post de hoje, vamos mostrar como o gerenciamento de ativos pode ser uma ótima estratégia para reduzir custos e aumentar a produtividade da sua empresa. Confira!

Gerenciamento de ativos

Terceirizar um ativo pode até parecer contrassenso, já que o negócio estaria abrindo mão de adquirir um patrimônio para contratar uma empresa. Mas você já parou para pensar que alguns ativos podem exigir investimentos altos demais ou custos recorrentes simplesmente impraticáveis?

No setor logístico, a terceirização de frotas, por exemplo, não é nada incomum. Nesse caso, os custos com manutenção e renovação dos veículos são da terceirizada, enquanto a contratante pode usar seus próprios motoristas. Dessa forma, a empresa se previne contra perdas causadas pela depreciação dos veículos, ao mesmo tempo que mantém a gestão da frota.

Outra oportunidade de gerenciamento de ativos diz respeito às infraestruturas de TI. Embora sejam cada dia mais essenciais para empresas de todos os portes e segmentos, ainda são poucas as organizações que têm condições de acertar nos investimentos em uma área tão técnica.

Nesse cenário, ao terceirizar a infraestrutura, a empresa deixa de arcar com custos de compra de servidores locais e sua manutenção, passando a contar com um parceiro para lidar com essa responsabilidade. A organização não precisa, portanto, investir diretamente em equipamentos ou na formação de uma equipe interna, tendo seu custo diluído no pagamento recorrente — e, portanto, previsível.

Diminuição de custos

Não tem jeito: a aquisição de qualquer ativo demanda custos. E olha que não estamos falando apenas da compra em si! É preciso realizar pesquisas de mercado, montar uma equipe para avaliar a necessidade e a aplicabilidade de determinado item, lidar com os impostos relativos à transação e, claro, gastar um bom tempo em negociações.

E se o ativo em questão não é diretamente ligado ao core business do negócio, o desafio se torna ainda maior. Afinal, uma empresa de viagens pode facilmente não ter especialistas em equipamentos para videoconferência em seu quadro de funcionários, por exemplo. Precisando de uma solução do tipo, o trabalho de pesquisa não só será mais demorado como terá maiores possibilidades de erro.

Ao contratar uma empresa especialista em integrar as melhores tecnologias de acordo com a necessidade do negócio, a organização passa a contar com um parceiro que vai indicar os produtos e serviços mais adequados para suas demandas. Além disso, uma empresa especializada costuma ter mais conhecimento do mercado, o que facilita desde a descoberta de bons fornecedores até a negociação de preços e condições de pagamento.

Aumento da produtividade

Com o gerenciamento de ativos, a empresa contratada se responsabiliza por todas as atividades acordadas em contrato e livra o tempo da companhia, que passa a se dedicar somente ao core business da empresa. Com isso, os gestores têm suas obrigações operacionais aliviadas, passando a focar em ações estratégicas. A produtividade da equipe interna é destinada a fazer o negócio prosperar e não a apenas mantê-lo funcionando.

Os funcionários também passam a trabalhar com equipamentos e softwares já adaptados para o usuário comum, padronizados de acordo com a necessidade da empresa e dos usuários, quando necessário. Assim, todo o conhecimento técnico necessário para manter o bom funcionamento dos ativos fica a cargo da empresa contratada, enquanto a parte prática pode ser facilmente executada pelos profissionais internos.

Cultura de inovação

A relação entre empresas e fornecedoras tende a ser encarada de forma bem pragmática: é preciso que a segunda atenda às necessidades da primeira por um preço justo e dentro de determinados parâmetros de qualidade. Mas acontece que essa relação pode ser muito mais produtiva e estratégica quando é estabelecida uma parceria.

Nesse contexto, entra o gerenciamento de ativos como uma ótima alternativa de se aproximar de empresas especialistas em seus nichos, que podem dar suporte para a tomada de decisões estratégicas. O parceiro também pode auxiliar em momentos-chave da empresa, como em grandes mudanças de infraestrutura.

É o caso, por exemplo, de organizações que vêm optando por usar servidores na nuvem em vez de investir na compra e manutenção de soluções locais. Nesse cenário, a empresa contratada ficaria responsável tanto por manter o servidor remoto como por promover um acesso adequado e seguro a ele. Ao mesmo tempo, pode se responsabilizar pela transição de dados e serviços armazenados fisicamente para a nuvem.

Controle de qualidade

Alguns gestores hesitam em apostar no gerenciamento de ativos por medo de perderem o controle sobre pontos estratégicos do negócio, deixando assim a desejar no quesito qualidade dos produtos e serviços da empresa. A boa notícia é que existem maneiras de garantir bons resultados! O exemplo mais claro disso é o uso de contratos SLA.

Sigla em inglês para níveis de acordo de serviço, esse tipo de contrato conta com cláusulas que definem requisitos de qualidade e até punições caso esses requisitos não sejam cumpridos. Um termo SLA pode determinar, por exemplo, que a empresa de TI tem 24 horas para consertar um terminal defeituoso. Ao ultrapassar esse prazo, tem que pagar uma multa.

Por fim, vale ressaltar que, como os termos são acompanhados por métricas e índices de performance, esse tipo de contrato ainda favorece uma gestão baseada em dados concretos, permitindo insights mais precisos.

Garantia de retorno

Já falamos aqui que um dos pontos centrais do gerenciamento de ativos é a redução de custos, certo? Mas também é importante lembrar que os ganhos financeiros não estão apenas na diminuição da necessidade de investimentos iniciais, mas, ainda, na economia de despesas recorrentes.

Isso acontece porque as empresas especializadas em gerenciamento de ativos mantêm um controle rígido sobre o que é de sua responsabilidade, sendo capazes, assim, de gerar relatórios constantes sobre eficiência, desgaste ou necessidade de troca de ativos.

Basicamente, portanto, a empresa contratada identifica mais rapidamente que, se um caminhão da frota vem precisando de manutenções frequentes, provavelmente precisa ser trocado. Seguindo a mesma lógica, se um servidor apresenta alto consumo de energia, pode ser substituído por um equipamento mais moderno e econômico.

A essa altura, se ficou interessado em saber como o gerenciamento de ativos pode fazer a diferença especificamente na sua empresa, converse com um dos nossos consultores!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.