Tecnologia da Informação

6 possíveis aplicações da Internet das Coisas em PMEs

Escrito por SONDA

Nos últimos anos, uma série de tecnologias mudou a maneira como as empresas fazem negócios. A migração para a nuvem, por exemplo, garante mais mobilidade aos profissionais, além de reduzir custos.

Já o Big Data torna os processos de análise de dados mais eficazes, ampliando a capacidade de identificação de tendências e de avaliação da estrutura dos serviços da empresa. Nesse cenário, precisamos destacar a Internet das Coisas.

Essa nova categoria de dispositivos inteligentes permite que o negócio tenha mais conhecimento sobre sua infraestrutura, podendo ser usada lado a lado com outras tecnologias para tornar o ambiente mais eficaz. E, ao contrário do que muita gente pode pensar, isso também se aplica às pequenas e médias empresas! Quer saber mais? Conheça agora mesmo 6 aplicações da Internet das Coisas em PMEs!

1. No processo logístico

Em um momento em que as vendas on-line desempenham papel importante na lucratividade de muitos empreendimentos, o setor de logística se torna crucial para as receitas do negócio. É ele o responsável por garantir a entrega de mercadorias dentro do prazo definido, sem falhas que possam interferir na satisfação do cliente. Dessa forma, a empresa pode fidelizar consumidores e atingir os resultados esperados a médio e longo prazos.

Integrada aos processos de entrega de mercadorias, a Internet das Coisas fornece uma visão mais precisa e abrangente sobre o funcionamento do negócio. Sensores podem ser espalhados por toda a cadeia de entrega, facilitando o rastreamento de cada item. Assim, os profissionais da área conseguem identificar em tempo real em que estágio se encontra a entrega de determinada mercadoria. E isso afetará as operações do negócio de 2 formas.

Primeiramente, os clientes conseguirão receber status mais exatos sobre o envio de seus produtos, o que melhora significativamente a qualidade do atendimento prestado pelo negócio. Em segundo lugar, os profissionais poderão otimizar os processos de logística com maior precisão, fazendo o rastreamento de gargalos para irem direto ao ponto, sem demora ou erros pelo meio do caminho.

2. Na manutenção da infraestrutura

A infraestrutura de uma empresa deve sempre ser mantida da melhor forma possível. Isso garante um funcionamento de qualidade, sem perda de performance ou aumento de custos diante de problemas de gestão. Para alcançar esse objetivo, diversas estratégias podem ser usadas. Uma delas é, claro, o uso da Internet das Coisas!

Integrando um sensor de vibração à linha de produção, por exemplo, o negócio consegue identificar com rapidez se há algum problema em uma das máquinas. Dessa forma, medidas corretivas podem ser aplicadas antes que o negócio tenha que enfrentar problemas mais sérios de eficiência e venha a ter prejuízos causados pela troca inesperada de equipamentos.

3. No marketing

A Internet das Coisas também pode causar impacto nas políticas de marketing das PMEs. Nesse caso, os dispositivos conectados permitem coletar dados em maior quantidade e relevância, construindo um conhecimento mais sólido sobre o público-alvo de uma campanha de marketing. A partir daí, é possível ampliar o impacto de iniciativas de vendas a médio e longo prazos.

Em uma academia de ginástica, por exemplo, a gestão pode usar os dados coletados por meio de rastreadores de atividades físicas e sensores de presença para avaliar como seus clientes se exercitam. Nesse contexto, o conhecimento de horários, equipamentos mais utilizados e outros fatores que afetam o dia a dia do negócio será muito maior, uma vez que o monitoramento terá uma grande abrangência.

Integradas a outros dados coletados em redes sociais, essas informações ampliam a capacidade da empresa de criar estratégias eficientes e de alta precisão. Afinal, cada campanha poderá ser segmentada de acordo com seu público-alvo, usando para isso argumentos que realmente causem impacto nos clientes do negócio.

4. No cuidado com a frota

A manutenção de frotas é um processo crucial para empresas tanto de pequeno como de médio e grande portes. Assim como a manutenção da infraestrutura, essa atividade evita que os gastos operacionais cresçam rapidamente, além de tornar a companhia mais eficaz e competitiva.

Com esse propósito, a frota de veículos da empresa pode receber rastreadores e equipamentos que identifiquem como os automóveis estão funcionando. Os dados coletados por tais dispositivos podem ser usados para o rastreamento dos veículos, por exemplo, transformando a rotina dos profissionais mais segura, ou para a própria otimização da frota.

No que se refere à otimização da frota, a empresa consegue, com a coleta constante de informações, avaliar o melhor momento para trocar peças e efetuar manutenções preventivas. O conhecimento sobre o desgaste de cada peça será ampliado, e, com isso, os gestores poderão identificar desperdícios, pontos que necessitam de melhoria ou maquinário que deve ser substituído.

5. Na agricultura

A Internet das Coisas também pode ser integrada ao setor rural. No caso da agricultura, essa tecnologia torna a gestão de plantações mais eficaz, inteligente e precisa. O gestor passa a poder extrair mais de suas áreas de plantio, reduzindo o desperdício de recursos e mantendo o nível de produtividade elevado.

Sensores podem ser conectados diretamente às áreas de plantio para identificar o estado do solo. Dados como nível de nutrientes e umidade da terra serão detectados em tempo real. Por tudo isso e muito mais, tarefas como distribuição de água, nutrientes e insumos são feitas sem desperdícios, maximizando a lucratividade da atividade.

6. Na medicina

A área da saúde também entra para a lista de aplicações da Internet das Coisas em PMEs. O setor pode usar essa tecnologia para tornar diagnósticos mais precisos e aumentar ao máximo sua capacidade de acompanhamento de pacientes durante seu tratamento.

Com o apoio de rastreadores de atividades físicas e sensores específicos, os médicos conseguem monitorar em tempo real o estado de saúde de seus pacientes, uma vez que informações como batimentos cardíacos e o nível de atividade são obtidas com alta precisão. Dessa forma, é possível criar um histórico contínuo sobre a maneira como as pessoas reagem a tratamentos e, assim, melhorar todas as rotinas de uma rede de saúde.

Como você pôde ver, a aplicação da Internet das Coisas em PMEs pode ser considerada um investimento estratégico, pois permite que empresas de diferentes setores consigam otimizar suas estratégias, tornando seus processos mais dinâmicos e ágeis.

O posicionamento no mercado é levado a um ponto de destaque, com o negócio conseguindo competir até mesmo com companhias de grande porte. Ao mesmo tempo, com o apoio da tecnologia, o número de vendas é ampliado sem grandes dificuldades. Então o que ainda está esperando para fazer esse investimento?

Por fim, aproveite o momento para saber mais sobre a importância da TI para a lucratividade do seu negócio!

 

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.