Tecnologia da Informação

Afinal, o que é o middleware?

Escrito por SONDA

O mundo corporativo está cada vez mais dependente de soluções de infraestrutura e automação de processos. Nesse contexto, é normal que gestores acabem lidando com nomes bastante específicos da área de TI. Um exemplo é o middleware.

Embora o termo seja usado há mais de 30 anos, o middleware (ou Enterprise Application Integration, como também é conhecido) ainda é um conceito enigmático mesmo entre os profissionais de Tecnologia da Informação. Mas, afinal de contas, o que é middleware?

A apresentação do conceito

Do ponto de vista tecnológico, middleware é um software que se encontra entre sistemas operacionais, aplicações e ambientes, servindo para aglutinar e dar coerência a todas essas tecnologias.

Na prática, funciona assim: imagine o parque tecnológico de uma empresa de grande porte. Uma infraestrutura desse tipo certamente está carregada de inúmeras aplicações, ambientes e sistemas que nem sempre conversam entre si, pois foram desenvolvidos em plataformas diferentes, usando linguagens diferentes — como C++, Java ou Cobol.

O problema é que a integração desse tipo de infraestrutura em um único sistema é um processo complexo, que pode levar anos para se concretizar. Por outro lado, é possível fazer com que todas essas soluções trabalhem juntas em um ambiente homogêneo de maneira muito mais simples. É aqui que entra o middleware!

No exemplo que acabamos de dar, um middleware vai fazer a mediação entre as soluções, contornando as diferenças existentes entre linguagens, plataformas e sistemas operacionais para mover informações entre os programas. Justamente porque conecta 2 ou mais aplicativos, o middleware também é chamado de mediador.

Alguns exemplos de middleware

O tipo de middleware usado vai depender do serviço escolhido pela empresa e da categoria de informações que deve ser comunicada. Alguns exemplos comuns de middleware são:

  • middleware para banco de dados;
  • servidores de aplicação Java EE;
  • soluções de Business Intelligence (BI);
  • soluções para monitoramento de TI;
  • middleware orientado para mensagens;
  • middleware para autenticação de segurança.

Os benefícios do uso nas empresas

Até aqui, você já entendeu o que é e como funciona um middleware. A partir de agora, vamos apresentar alguns usos eficientes dessa tecnologia e como ela pode ajudar a otimizar os processos na sua empresa. Confira!

Comunicação entre aplicações distintas

Uma das principais funções do middleware é promover a comunicação entre aplicações distintas, certo? Isso significa que a infraestrutura de TI da empresa poderá contar com tecnologias localizadas em outros ambientes físicos, o que facilita particularmente a adoção de tecnologias na nuvem e soluções móveis.

Em outras palavras: a empresa poderá escalar rapidamente a capacidade dos recursos para acomodar picos de vendas nos negócios e diminuir a capacidade nos meses em que a movimentação estiver fraca, pagando apenas pelo que efetivamente usou.

De acordo com um estudo da Gartner, a adoção de tecnologias mobile e cloud propicia a transição do antigo modelo de infraestrutura para abordagens mais flexíveis, o que se tornará um diferencial competitivo e tanto para as empresas nos próximos anos.

Além disso, com o middleware, a empresa também ganha em matéria de portabilidade. Ao gerenciar a alocação da memória, dados e processos, o middleware permite que uma série de aplicações rodem ao mesmo tempo, alavancando avanços tecnológicos tanto em hardwares como em softwares.

Melhora do processamento de informações

Não é segredo nenhum que toda a qualidade do serviço de uma empresa é impactada pelo uso do middleware. Uma das principais causas disso é a melhora no processamento das informações, já que o middleware otimiza a comunicação entre as diferentes soluções do parque tecnológico da corporação.

Com a interface realizada pelo middleware, as informações provenientes de diversas fontes passam a ser filtradas e refinadas, o que reduz (e muito) o volume do processamento de dados, aumentando a qualidade das informações fornecidas.

E como a melhora no processamento das informações resulta na otimização dos processos do negócio como um todo, o middleware também colabora para a complementação do Business Process Management (BPM), o que nos leva ao ponto a seguir.

Complementação do BPM

O BPM é uma metodologia que busca uma visão integrada da gestão do ciclo de vida dos processos de uma empresa. Seus objetivos são:

  • maximizar a eficiência do negócio;
  • usar a tecnologia a favor da empresa;
  • agilizar implementações;
  • ajudar na tomada de decisões;
  • melhorar a visibilidade dos processos;
  • promover melhoria contínua.

Já que o middleware otimiza a interação entre as diferentes aplicações do negócio, além de refinar as informações detectadas pelos leitores, seu uso em conjunto com um software de BPM naturalmente facilita a otimização de todo o processo de coleta de informação.

Otimização do desenvolvimento de aplicações

A modernização da infraestrutura das aplicações de uma empresa é um componente essencial para se diminuir a complexidade do desenvolvimento de soluções e aprimorar a experiência dos usuários. E o middleware tem um papel fundamental nesse processo.

Isso porque um middleware ajuda a gerenciar diversas funções que, de outra forma, precisariam ser arquitetadas e programadas para trabalhar em conjunto. E como os componentes de um middleware podem ser reutilizados sempre que necessário, evita-se assim que os desenvolvedores precisem programar repetidamente serviços comuns, como autenticação e conexão com bancos de dados.

Resumindo rapidamente: middlewares ajudam a alavancar a produtividade, a padronização e a performance no processo de desenvolvimento de aplicações das empresas.

Controle e autonomia no desenvolvimento

Se bem estudada, a implementação de um middleware na empresa pode contribuir com mais agilidade e controle no processo de desenvolvimento. E já que a tecnologia proporciona a comunicação entre aplicações que trabalham a partir de sistemas e linguagens diferentes, não é preciso se preocupar com a contratação de especialistas externos para fazer alterações nos códigos e integrar tais soluções.

Basicamente, portanto, o middleware facilita o gerenciamento das aplicações por equipes internas da empresa, aprimorando a autonomia no processo de desenvolvimento.

Alguns benefícios adicionais trazidos por essa ferramenta são a habilidade de desenvolver e implementar aplicações através de ambientes múltiplos, como servidores on-premise, cloud, híbridos e móveis, contando com agilidade e escalabilidade.

E então, gostou de entender o que é o middleware e como ele funciona? Conhece alguém que também quer saber como otimizar os processos corporativos? Então compartilhe este post em suas redes sociais!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.