Gestão de Negócios

Profissionalização de negócios: como impulsionar pequenas indústrias?

Escrito por SONDA

A profissionalização é uma exigência imposta pelo mercado e pela sociedade a empresas que estão em fase de crescimento e querem se manter ativas no longo prazo. Se, no início de um empreendimento, o proprietário pode tomar decisões apenas com base no feeling pessoal, à medida que o estabelecimento se desenvolve, surge a necessidade de adotar boas práticas de gestão e processos padronizados.

No caso de uma indústria, como são vários os fatores que interferem nas diversas etapas da cadeia de suprimentos, a expansão das atividades deve ser precedida de reformulações que assegurem controle e eficiência no ciclo de produção. Para tanto, a empresa precisa abandonar fluxos informais e decisões baseadas em achismos para se tornar uma organização de fato profissional.

Não sabe nem por onde começar a implementar a profissionalização de negócios? Então confira a seguir 7 dicas para aperfeiçoar a gestão do seu negócio, integrando-o às boas práticas de mercado!

1. Estudo e definição de padrões

Uma empresa pode ser iniciada de diversas maneiras, seja com um plano de negócio elaborado e testado antes do lançamento oficial do empreendimento ou com a colocação em prática de uma ideia, fazendo os consequentes ajustes na base do método de tentativa e erro. Independentemente da forma como o estabelecimento surge, é comum o início ser marcado por características de uma gestão familiar.

Nesse cenário, o dono toma todas as decisões relativas ao andamento da empresa e, às vezes, conta até com a ajuda de alguns parentes. Aí, como são poucas as pessoas envolvidas no negócio, nem sempre há registro de dados de entrada e saída de materiais e de recursos financeiros. Em um modelo assim, é normal o conhecimento ficar concentrado. Logo, se o gestor precisar se ausentar por algum período, os riscos de o desempenho da empresa ficar abaixo da média são grandes. Nos setores produtivos, por sua vez, é comum os colaboradores realizarem as tarefas com base em experiência acumulada e não necessariamente de acordo com regras previamente estabelecidas.

Embora esses tipos de atitudes possam funcionar em contextos particulares, quando se trata de profissionalização de negócios, a empresa deve estudar e desenhar processos de modo a encontrar padrões. Dessa maneira, o modelo de negócio passa a ser replicável! Assim, em uma eventual abertura de filial, fica mais fácil transportar os níveis de qualidade e de eficiência desejados.

2. Automação de processos

A velocidade do ciclo de produção das indústrias deve se adequar às necessidades do mercado consumidor. Para tanto, controle e previsibilidade devem ser palavras de ordem nas empresas. Se os processos são desconectados, há demora e risco de erros na entrega de tarefas entre um setor e outro. Como consequência, a produção se torna ociosa e a empresa tem que embutir o impacto da falta de integração no custo do produto.

Pelo outro lado, quando tem como objetivo a profissionalização de negócios, o gestor busca efetivar a automação de processos. Com um sistema de gestão informatizado, por exemplo, é possível conectar as etapas de toda a cadeia de suprimentos, de modo a reduzir gargalos e custos.

3. Investimento em tecnologia de ponta

Quem nunca ouviu dizer que o barato pode acabar saindo caro, não é verdade? Um exemplo disso surge em forma de indústrias que usam maquinário e softwares antigos na tentativa de economizar, embora tenham que lidar com constantes falhas na produção e não consigam sustentar níveis satisfatórios de qualidade.

Na situação oposta, quando a empresa investe em tecnologia de ponta, não só está em sintonia com os mais modernos padrões do mercado como ganha consideravelmente em economia de escala. Afinal, sistemas informatizados oferecem um retorno muito mais rápido e seguro que ferramentas ultrapassadas.

4. Comunicação (interna e externa) eficiente

Foi-se o tempo em que atrasos nos pedidos eram toleráveis. Hoje em dia, com os avanços na produção e na logística, os clientes querem receber suas mercadorias no prazo, de preferência acompanhando o rastreamento da entrega. Nesse sentido, a indústria deve manter tecnologias que facilitem a comunicação tanto em nível interno quanto externo.

Nesse sentido, a concretização de uma venda deve ser imediatamente informada a setores como produção, financeiro, logística e compras, por exemplo. E considerando que os responsáveis por cada área têm acesso a status do processo em tempo real, o fluxo de trabalho se torna mais rápido, além de evitar falhas e falta de suprimentos.

5. Implementação de soluções financeiras e fiscais

Em termos de atividades-fim e de atividades-meio, as empresas devem ser pensadas cada vez mais de forma global. No caso de uma indústria, não basta apenas entregar a mercadoria encomendada na quantidade pedida, no prazo certo e com a qualidade esperada. Uma empresa profissional deve ostentar tal condição em todos os setores!

Aí é que entram soluções tecnológicas de pagamento, podendo trazer maior dinamicidade para as contas da empresa. Do mesmo modo, sistemas ou módulos de softwares voltados exclusivamente para a área fiscal desburocratizam o negócio e geram economia ao facilitar o cálculo de tributos.

6. Compliance para profissionalização de negócios

No início de uma indústria, é bastante comum que os funcionários tenham que prestar contas unicamente ao proprietário do negócio, que é quem detém o comando da gestão e nem sempre precisa justificar os próprios atos. Contudo, à medida que o negócio cresce, surge a necessidade de contar com aporte de recursos de investidores para que as atividades possam ser expandidas. Pensando nisso, a indústria deve valorizar o compliance como forma de evitar a arbitrariedade e, ao mesmo tempo, assegurar que a gestão será feita em níveis profissionais.

Ao estabelecer normas gerenciais e de conduta, a empresa estipula parâmetros para a checagem das decisões tomadas. É bem verdade que a prática do compliance precisa ser monitorada. Para tanto, a captação, o registro e o processamento de dados são essenciais para a confiabilidade dos relatórios do negócio.

7. Avaliação contínua de resultados

Uma empresa profissionalizada, capaz de atrair o interesse de investidores, deve estar comprometida com a entrega de resultados positivos. Especialmente quando se trata de uma época de expansão, a avaliação da performance é extremamente necessária para assegurar uma boa implementação do modelo de negócio.

No caso de uma indústria, mensurar os resultados obtidos só se torna mais fácil quando a empresa dispõe de uma infraestrutura capaz de extrair dados das diferentes etapas de produção e, simultaneamente, gerar relatórios que proporcionem uma interpretação intuitiva. Desse modo, a organização pode validar avanços ou corrigir rotas com a presteza que o mercado espera.

Gostou das nossas dicas sobre profissionalização de negócios e quer receber mais conteúdos para aperfeiçoar a administração da sua empresa? Então siga a Sonda nas redes sociais e não perca as próximas novidades! Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Google+ e no Twitter!

 

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.