Gestão de Negócios

Segurança da informação: como lidar com dados sigilosos?

Escrito por SONDA

Incluída no rol de ações estratégicas de uma empresa deve estar a proteção de seus dados sigilosos. Afinal, se essas informações vierem a público, podem causar prejuízos financeiros reais. Consegue imaginar os problemas gerados pelo vazamento de documentos descrevendo técnicas de produção ou protocolos internos de atuação? Melhor se prevenir!

O detalhe é que resguardar o sigilo corporativo é um desafio ainda maior em um mundo totalmente conectado via internet. Afinal, nesse cenário é preciso enfrentar o avanço de ameaças como vírus e hackers, além dos tradicionais vazamentos internos. Para superar essas barreiras, é preciso investir em processos e ferramentas, garantindo assim a segurança da informação. Descubra como a seguir!

Elabore termos de sigilo

O primeiro passo para garantir a segurança da informação na sua empresa é usar proteções jurídicas. Isso pode ser facilmente feito por meio de contratos de trabalho que incluam termos de confidencialidade. Dessa forma, cada funcionário terá a obrigação legal de não divulgar para terceiros as informações a que têm acesso sobre o negócio.

Esses termos de sigilo também podem ser usados em contratos feitos com terceiros, como fornecedores. Isso é importante uma vez que vários terceirizados (como técnicos de informática ou trabalhadores freelancers) também podem ter acesso às dependências do seu negócio, eventualmente entrando em contato com dados sensíveis.

Tenha protocolos de autorização de acesso

A verdade é que segredos compartilhados por muitas pessoas não são exatamente secretos, certo? Portanto, restringir determinadas informações a um grupo seleto de pessoas é uma maneira eficaz de aumentar a segurança da informação em uma empresa.

Para atingir esse objetivo, é preciso limitar o trânsito de pessoas em locais sensíveis, como arquivos físicos, e estabelecer parâmetros de acesso para os serviços informacionais. Usar senhas para controlar a entrada em programas ou arquivos digitais, estejam eles guardados na nuvem ou em servidores físicos, é uma boa maneira de colocar esse passo em prática.

Proteja sua rede wi-fi

É claro que contar com uma internet sem fio na empresa traz ganhos indiscutíveis para a mobilidade e a comodidade dos funcionários. O problema é que esse tipo de serviço pode ser invadido por pessoas estranhas ao negócio, que passarão a ter em mãos todo o banco de dados da empresa.

Para fugir desse risco, altere a configuração padrão de fábrica dos roteadores, crie senhas fortes de acesso, incluindo letras, números e caracteres especiais, além de investir em soluções que listem aqueles dispositivos que são realmente autorizados a acessar determinada rede, bloqueando o acesso de máquinas que não autorizadas.

Lembre-se também de criar um login especial para convidados ou clientes, que viabilize um acesso limitado à rede. Com isso, sua empresa consegue oferecer internet a clientes e demais convidados sem correr o risco de expor informações importantes.

Invista em criptografia e certificados digitais

Caso o pior aconteça e os dados da sua empresa sejam interceptados, suas informações ainda estarão seguras se forem criptografadas. É é preciso fazer com que os dados legíveis por qualquer pessoa sejam substituídos por um código complexo, permitindo que a leitura de um documento digital só seja realizada por quem obtiver a chave desse código.

A criptografia deve estar presente em diferentes tipos de serviços, incluindo os e-mails, chats privados e até no armazenamento de informações na nuvem. Assim, a empresa ganha uma camada a mais de segurança nos seus dados digitais.

E para aumentar a efetividade da criptografia, vale complementá-la com uma certificação digital. Com esse recurso, cada operação é identificada por meio de um cartão com as informações do operador e da máquina usada, facilitando o controle do tráfego de dados na empresa.

Mantenha os softwares atualizados

É bem provável que sua empresa conte com uma vasta gama de programas instalados nas máquinas, indo desde os tradicionais editores de textos e planilhas até potentes softwares de gestão fiscal, não é mesmo? Mas será que esses programas vêm sendo atualizados de forma constante?

Essas atualizações não são importantes apenas para corrigir erros, mudar a interface ou adicionar novos recursos. Elas também correspondem à maneira encontrada pela fabricante do programa para adicionar novos protocolos de segurança e corrigir brechas que poderiam facilitar invasões aos sistemas.

O problema é que muitas empresas até fazem o investimento em softwares originais, mas acabam não renovando a assinatura do serviço. Essa descontinuidade faz com que o software deixe de receber a proteção necessária, transformando-se em um risco real para o sigilo dos dados da empresa.

Lembre-se dos dispositivos móveis

Quando falamos em segurança das informações da empresa, é comum que nossa atenção recaia sobre as máquinas mais parrudas da organização — seja um servidor ou os computadores do escritório. É claro que esses dispositivos merecem cuidado, mas também é preciso estarmos atentos às vulnerabilidades de celulares e tablets.

Os dispositivos móveis já são uma realidade no mundo corporativo, dando agilidade às equipes e melhorando a comunicação interna e externa da empresa. Mas eles também estão sendo cada vez mais visados por criminosos digitais, sabia?

Para garantir a segurança desses aparelhos, invista em aplicativos antivírus, firewalls e em políticas claras para definir quais dados e programas podem ser acessados em um aparelho pessoal e quais devem ser exclusivamente feitos em um celular ou tablet corporativo.

Promova treinamentos de segurança

Pouco vale investir em equipamentos, softwares e serviços de proteção se os funcionários não são devidamente instruídos sobre normas de segurança. Aí é que entram os treinamentos, incluindo desde o uso correto de antivírus, passando pela política de confidencialidade da empresa até chegar a protocolos de envio de informações sensíveis via e-mail ou cartas.

Também é preciso que fiquem claras as normas da empresa a respeito do uso de dispositivos de armazenamento, como pendrives e HDs externos, além de serviços de hospedagem na nuvem. O treinamento deve incluir bons hábitos digitais, como deslogar de caixas de entrada de e-mails ou das redes sociais ao se ausentar do posto de trabalho e separar as contas de uso profissional daquelas de uso pessoal — especialmente o correio digital e serviços mensageiros, como Skype.

Por fim, não se esqueça de realizar treinamentos focados em segurança desde cedo, na ambientação de novos funcionários, e manter os cursos para os funcionários de maneira sistêmica, garantindo que todos sejam constantemente atualizados sobre novos riscos e protocolos de segurança.

Quer continuar informado sobre segurança da informação para sua empresa? Siga nosso perfil no Twitter e descubra como a SONDA pode fazer a diferença na sua gestão!

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.

Deixar comentário.

Share This
Navegação