Tecnologia da Informação

Virtualização de servidores: o que é e como funciona?

Escrito por SONDA

Por mais que a virtualização de servidores seja um modelo que chegou para ficar, ainda gera muitas dúvidas quanto a seu funcionamento e a suas vantagens.

Mas a pesquisa IT Leaders já ditou o caminho: 53% dos executivos de TI pretendem investir mais em mobilidade corporativa, sendo a cloud computing a maior aposta, com 78% das empresas operando parcial ou totalmente em ambientes virtuais.

E a sua empresa, onde está nessas estatísticas? Vamos acabar com qualquer dúvida sobre a virtualização de servidores e migrar de vez para o futuro?

O que é virtualização de servidores?

Quando falamos em virtualização de servidores, a primeira ideia que costuma vir à cabeça é: usar servidores de terceiros, completamente hospedados na internet.

Mas, na prática, não é bem assim. Optando por essa solução, a empresa monta um servidor físico, com CPU e tudo, bastante potente. Depois, divide esse hardware em vários servidores virtuais, cada um operando em um ambiente diferente.

Trata-se de uma forma de distribuir a capacidade do servidor físico a fim de maximizar o uso da máquina e ampliar o número de pessoas com acesso à tecnologia. Quando você cria servidores virtuais, pode instalar sistemas operacionais diferentes (como Windows e Linux) na mesma máquina, sem que haja conflito entre eles.

O que é preciso para criar servidores virtuais?

Primeiramente, você deve adquirir seu servidor físico — que corresponde a um computador com CPU, HD, memória e todos os demais requisitos de uma máquina a ser usada como servidor. A potência do servidor deve ser adequada ao uso pela empresa, o que pode significar inclusive a compra de mais de um servidor físico.

Instalado o servidor físico, passa-se para a implementação de um sistema operacional que permitirá o particionamento em máquinas virtuais. Tal sistema é chamado de hypervisor. Procure deixar o mínimo de espaço possível para o hypervisor, a fim de maximizar o uso do espaço restante com a criação dos servidores virtuais.

Com a divisão do hardware em vários outros hardwares (que são as máquinas virtuais), você tem a possibilidade de usar cada uma dessas fatias de forma diferente, instalando sistemas operacionais independentes, assim como aplicações e softwares personalizados. A CPU e a memória do servidor físico são usadas conforme a demanda. Assim, cada servidor virtual pode demandar uma quantidade maior ou menor de recursos, dependendo do que é executado.

Para distribuir os recursos para toda a empresa, as máquinas virtuais são armazenadas em discos atachados aos servidores, conhecidos também como discos locais, ou em um storage externo com conexão de alta velocidade, Storage Area Network (SAN). A partir daí, você pode adicionar ou remover máquinas virtuais sempre que quiser, fazer manutenções, alocação de recursos, atualizações e outras atividades a partir de um único local, aumentando a eficiência na gestão de TI da empresa.

Há benefícios na virtualização de servidores?

Se existem tantas empresas investindo nesse tipo de solução, provavelmente é porque os benefícios são muitos, não concorda? Confira e descubra!

Facilidade de adição de novas máquinas

Se sua empresa está crescendo e a equipe de TI está constantemente envolvida com a preparação de máquinas para novos colaboradores, eis a solução para fazer isso em questão de minutos: com os servidores virtuais, você só copia uma máquina virtual, atribui um novo nome e realiza pequenos ajustes para evitar conflitos. Aí pronto! O ambiente está preparado para começar a trabalhar.

A migração entre servidores também se torna muito mais fácil, pois você pode desconectar uma máquina virtual de um servidor e conectá-la a outro em pouquíssimo tempo, evitando assim que os recursos fiquem indisponíveis, comprometendo o trabalho da equipe.

Segurança da informação

Como cada ambiente operacional recebe suas camadas de proteção, somente quem tem acesso ao servidor pode consultar ou alterar dados.

Assim, informações estratégicas podem ficar apenas ao alcance da alta gestão, dados financeiros ficam sob responsabilidade dos setores competentes, aplicações de uso comum são acessadas por todos, sem ninguém correr o risco de perder ou vazar informações por níveis de acesso equivocados.

A gestão centralizada de todas as máquinas virtuais da empresa facilita no momento de automatizar backups e manter os dados corporativos sob absoluta segurança. Nesse cenário, qualquer eventualidade que ocorra em um servidor virtual (como um sistema operacional corrompido) não afeta os demais, evitando crises maiores devido à falta de acesso aos sistemas ou dados.

As paradas para manutenção também são evitadas, já que, quando um hospedeiro entra em manutenção, outro pode assumir temporariamente as máquinas virtuais que rodam nele, impedindo que o time fique parado e a empresa perca produtividade.

Redução de custos e de uso do espaço

Empresas de grande porte podem economizar bastante no orçamento de TI com a virtualização de servidores. Afinal, um único servidor físico pode se transformar em 10 ou mais servidores virtuais, ampliando a capacidade do negócio de armazenar os dados e de operar em rede sem precisar de amplos investimentos em tecnologia.

Além disso, há economia de infraestrutura, como em salas de servidores, ar-condicionado e manutenções, grandes vilões do orçamento de TI de toda empresa.

Outro fator que evidencia a economia proporcionada pela virtualização é o custo para a aquisição dos próprios servidores. Nesse caso, em vez de comprar 5 servidores de pequeno porte, por exemplo, você pode adquirir um único de médio porte, que sairá bem mais em conta que a primeira opção. Nessa linha, também é possível reduzir os custos com licenciamento de software, pois muitos fabricantes possuem condições especiais para licenciar esse tipo de ambiente.

Otimização de recursos tecnológicos

Como você pode criar máquinas virtuais com maior ou menor capacidade, dependendo das necessidades da empresa, os recursos tecnológicos são otimizados.

Um servidor virtual que tem como função apenas disponibilizar o ambiente Windows para os usuários de planilhas e documentos eletrônicos, por exemplo, não precisa de tanto espaço dedicado quanto um servidor que armazena softwares de modelagem 3D.

O acesso remoto à SAN confere maior agilidade ao tratamento de situações de risco, permite manutenções de emergência a distância e facilita o trabalho de equipes de TI responsáveis por mais de uma filial, por exemplo. Essa facilidade permite ainda que os profissionais atuem de fora da sede (em casa ou quando em viagens a trabalho), o que contribui para manter a empresa sempre conectada.

Comprometimento com a sustentabilidade

A implantação de servidores virtuais também é uma forma de preservar o meio ambiente. Você provavelmente já ouviu falar sobre os danos causados pelo descarte de material tecnológico, certo?

Então a lógica é simples: quanto mais servidores físicos forem usados, mais lixo tóxico será produzido no futuro, quando tiverem que ser substituídos. Sem falar que, com a virtualização, também não será necessário manter o ambiente continuamente refrigerado.

Classificação de aplicações

Especialmente empresas pequenas tendem a manter poucos servidores físicos. Com isso, programas e arquivos de diversos setores acabam ficando armazenados em uma única máquina.

O grande problema dessa prática é que, além de a memória do servidor ficar sujeita a falhas pela grande quantidade de informações, as próprias atualizações de uma podem interferir no funcionamento das demais. Assim, até definir prioridades fica mais difícil.

Com os servidores virtuais, por sua vez, as aplicações podem ficar em locais separados, sem ser preciso investir em máquinas para isso. Nesse contexto, elas não só não interferem umas nas outras como você ainda pode escolher qual será a prioridade dada a cada uma.

Que transformações a virtualização traz?

Assim como toda nova tecnologia, a virtualização de servidores transforma ferramentas que já estávamos acostumados a usar. Pensando nisso, listamos aqui alguns exemplos para você se preparar. Acompanhe!

Nuvem

Muitas pessoas ainda confundem virtualização de servidores com armazenamento em nuvem. Hoje em dia, esses 2 processos diferentes costumam caminhar juntos em muitas empresas. Normalmente, quando um negócio implanta a cloud computing, a virtualização se torna necessária, principalmente quando consideramos a adoção de um ambiente de TI híbrido (Hybrid IT).

Não que não seja possível o armazenamento a partir de servidores físicos, mas esse definitivamente não é o meio mais eficaz.

Na verdade, ambas as práticas, quando aliadas, reduzem os gastos da empresa com equipamentos, além de garantir a segurança das informações.

Em geral, os resultados da implantação do armazenamento em nuvem são otimizados na mesma proporção em que seu ambiente é virtualizado. Além disso, um servidor virtual pode ser migrado para a nuvem com facilidade, quando consideramos a adoção de um cenário no modelo IaaS (Infrastructure as a Service).

Local

Algumas empresas ainda contam com sistemas de gestão antigos, mas que desempenham funções importantes. Por isso, não podem ser desativados.

O detalhe é que manter esses sistemas em um servidor físico, local, demandaria espaço em uma das máquinas ou a aquisição de outra especialmente para isso. Já a virtualização permite que se escolha um servidor virtual com ambiente compatível para o armazenamento.

Além disso, se os novos softwares precisassem ser armazenados em servidores físicos, seria necessário fazer a cotação de uma nova máquina, efetivamente escolher, esperar a entrega e assim por diante.

No caso dos servidores virtuais, não só a instalação e a configuração são rápidas e práticas como não é preciso investir em novos computadores se o ambiente possuir recursos disponíveis para expansão.

Manutenção

Servidores físicos dão muito trabalho quando precisam ser substituídos. Isso acontece porque é necessário fazer um backup de toda a informação ali contida para transferir a uma nova máquina.

E isso não acontece só ao final da vida útil de um aparelho. Portanto, cada vez que for necessário migrar um programa, o transtorno vem junto. Normalmente, o processo leva algumas horas e, dependendo do fluxo de trabalho da companhia, precisa ser feito no final de semana para não prejudicar a produtividade.

Quando uma máquina apresenta problema durante um trabalho, alguns dados ainda não salvos correm o risco de se perder. Nesse caso, a dúvida se serão recuperados ou não persiste até que a manutenção seja concluída. Com o ambiente virtual, por sua vez, se for preciso fazer manutenção em uma máquina, o servidor pode ser suspenso. Dessa forma, assim que finalizado, o trabalho é retomado daquele ponto.

Além disso, em uma máquina física, o backup se torna ação de primeira necessidade, demandando algumas ferramentas para que seja feito periodicamente.

Enquanto isso, o ambiente virtual conta com recursos que permitem que o sistema seja transferido de servidor quando o que está atuando apresenta problemas, o que promove uma recuperação rápida e eficaz de dados. Também é possível, para maior segurança, que a máquina seja replicada em outro data center. Assim, é transferida em caso de falha, sem perda de tempo ou de informações importantes.

O ambiente virtualizado proporciona a possibilidade de utilizar um portfólio maior de recursos e soluções para garantir a disponibilidade dos servidores e rápida recuperação em caso de desastres.

Automatização

Algumas tarefas de TI podem ser automatizadas com a virtualização. O template modelo de algumas máquinas virtuais pode ser rapidamente provisionado pelos profissionais de informática da empresa.

Além disso, a migração entre servidores se dá de acordo com o processamento e a necessidade de memória de cada um — servidores que não serão usados por determinados períodos (recesso de final de ano ou mesmo finais de semana, por exemplo) podem permanecer desligados durante o período de ociosidade e ser automaticamente reativados em horário previamente determinado.

Também é possível programar a exclusão de determinada máquina caso ela não seja usada durante um certo período. E ainda existe a opção de implantar mecanismos que permitam aos próprios usuários criar ambientes de teste, sem precisarem da atuação da equipe de TI da empresa.

Aliás, até mesmo a apuração dos custos por área se tornará mais fácil. Por meio de métricas e relatórios, é possível mensurar e justificar investimentos, o que constitui uma vantagem se levarmos em conta que esses relatórios podem ser apresentados à diretoria, que terá uma ideia exata do desempenho do departamento.

Por tudo isso, a equipe de tecnologia assume um caráter diferente. Esses profissionais deixam de apenas apagar incêndios quando algo não atua da maneira esperada, passando a trabalhar mais na criação de soluções e no desenvolvimento de melhorias. E, como você provavelmente sabe, quando não é necessário mexer em ambientes físicos para obter resultados, o trabalho da equipe se torna muito mais rápido, elevando a produtividade.

Nossa dica final é que você avalie a virtualização de servidores como um investimento que trará retorno financeiro no longo prazo, mas resultados de eficiência e produtividade tão logo a solução esteja instalada.

Uma boa maneira de justificar a implementação desse recurso na empresa é fazer uma pesquisa interna sobre produtividade e satisfação dos clientes de TI, comparando seus resultados com os de outras empresas que já optaram pela virtualização de servidores.

Depois de tudo isso, você já está mais que pronto para investir na virtualização de servidores, certo? Então entre em contato conosco e conheça o que temos a oferecer!

 

 

Sobre o autor

SONDA

A SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de tecnologia, atua em 10 países com mais de 22 mil colaboradores e 5 mil clientes ativos. Em parceria com seus clientes, a SONDA acredita que com o uso de soluções tecnológicas é possível transformar seus negócios, permitindo conquistar eficiência e vantagem competitiva. Entendemos do seu negócio e sabemos fazer acontecer, contando com uma equipe altamente capacitada. Para mais informações, acesse www.sonda.com/br.